Tragédia no RS – Organizar as reivindicações do movimento de solidariedade
Por Caroline Ferraz/Sul21

Tragédia no RS – Organizar as reivindicações do movimento de solidariedade

Para responder concretamente à crise, é necessário um amplo movimento que organize a luta pelas demandas urgentes do estado

Israel Dutra e Roberto Robaina 16 maio 2024, 13:57

Foto: Caroline Ferraz/Sul21

A tragédia do Rio Grande do Sul é o marco da situação nacional, com todos os esforços voltados para o resgate e a solidariedade às centenas de milhares de pessoas atingidas. A discussão orçamentária no parlamento e no governo se impõe sobre todos os outros temas. O noticiário não é diferente, e nas redes sociais, enfrentamos uma batalha contra as fakenews impulsionadas por negacionistas climáticos bolsonaristas.

Inúmeros estudos já demonstraram como um modelo econômico predatório e políticas de austeridade dos governos desprotegem os territórios mais vulneráveis. O retrocesso é enorme e tem culpados: os interesses do agronegócio, das mineradoras, dos bancos e de outros capitalistas que produziram a tragédia, assim como os políticos a eles associados.

A onda de solidariedade e a necessidade de um movimento dos atingidos pelas enchentes

O que se verificou foi uma onda de solidariedade sem precedentes. Entidades, associações, sindicatos, DCEs, ginásios particulares abriram suas portas e organizaram pontos de coletas, cozinhas e abrigos. As redes de coleta de doações se multiplicaram. Vizinhos atuaram como um corpo de defesa civil salvando e resgatando pessoas e animais.

Tal cenário contrastou com a hipocrisia dos grandes empresários e dos políticos bolsonaristas, como Luciano Hang e os deputados ruralistas, que posam de heróis, mas na verdade sempre negaram os impactos das mudanças climáticas e continuam defendendo o “estado mínimo” para justificar a falta de preocupação social e investimento público.

A força dessa coletividade popular deve ser a mola propulsora de um movimento contínuo para atender todas as demandas imediatas urgentes e vai se desenvolver na disputa sobre o processo de ”reconstrução do estado”. Anos serão necessários, não somente para reconstruir o que foi destruído, mas para garantir que o conjunto da população esteja protegida futuramente contra novos eventos extremos, que se tornarão cada vez mais comuns.

A luta por moradia digna e segura, por meio de uma reforma urbana verdadeira, além da luta por melhores salários, por emprego e por uma assistência social efetiva, deve ser o eixo de ação de um movimento social e popular. Existem centenas de imóveis vazios, públicos e privados, ligados à especulação imobiliária que devem servir pra garantia da habitação popular. Felizmente, essa proposta já começa a circular – inclusive no âmbito institucional – como uma das alternativas para enfrentar essa grave crise habitacional que atravessa o Estado.

É o momento de extrair lições e apoiar as reivindicações – que passam pela organização dos desabrigados, do controle e da distribuição dos alimentos e donativos – para que os novos marcos de reconstrução sejam definidos democraticamente pelos povo organizado e pelos movimentos sociais.

A suspensão da dívida mostra que há recursos

A crise é tão profunda e abala de tal modo um Estado importante que a própria burguesia é obrigada a adotar medidas excepcionais, como apoio à suspensão do pagamento da dívida do Estado com a União. Com uma dívida de R$ 98 bilhões, a importante medida tomada pelo governo Lula representará R$ 11 bilhões mantidos no Rio Grande do Sul ao longo de três anos. Apenas de juros, seriam mais de R$ 12 bilhões se o pagamento fosse mantido, superando o próprio montante da dívida e, por consequência, provando que o pagamento da dívida está a serviço do sistema financeiro e da agiotagem.

O Rio Grande do Sul tem uma importância na acumulação de capital, garantindo boa parte da produção de arroz, de máquinas agrícolas e exportação de soja. A burguesia não poderia simplesmente deixá-lo para trás e vê-lo se transformar num palco de revoltas, nem deixar de lado o papel do RS na cadeia produtiva nacional, sendo obrigada a aceitar medidas excepcionais, como a concessão de um auxílio emergencial de R$ 5 mil a famílias atingidas.

O Estado sofrerá com o empobrecimento e poderá passar por um grande retrocesso social enquanto ocorre a reconstrução. Para enfrentar essa situação, a luta sobre quem deve pagar a conta será dura, afinal, essa fatura deve ser paga por aqueles que acumulam as riquezas e são os menos afetados. A suspensão do pagamento da dívida indicou que a pressão popular pode obter conquistas materiais e deve continuar garantindo o acesso do conjunto da população a todos os meios necessários para a reconstrução da infraestrutura do Estado e das vidas de famílias afetadas.

Isso trará à tona enormes discussões programáticas envolvendo justamente a questão do programa ambiental, da luta ecológica, da luta que envolve o combate ao negacionismo climático.

Construir um movimento dos atingidos pela enchente de 2024

Há muitas demandas. A imediata é a do atendimento aos abrigos, e a central a garantia de moradia. Mas ainda temos a demanda do auxílio emergencial, do crédito, da abolição de dívidas, da suspensão de pagamentos de tributos. São demandas tão importantes que levaram à medida excepcional de suspensão do pagamento da dívida do Estado com a União e à criação, por parte do governo federal, do Ministério da Reconstrução.

Para atender tantas demandas, é preciso organização. Uma organização que busque construir um movimento, centralizar as negociações, controlar o poder público, acompanhar a realização das medidas anunciadas. Não se pode simplesmente esperar pelos governos, é preciso que a sociedade (especialmente a classe trabalhadora do campo e cidade, a juventude e o povo pobre) tenha protagonismo e se organize para defender os seus direitos e os seus interesses.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.