Eleições na Europa: última chance para a unidade?
53613089470_ea87e6f9a8_b

Eleições na Europa: última chance para a unidade?

Uma análise sobre o cenário econômico do continente perante as recentes eleições para o Parlamento Europeu

Michael Roberts 10 jun 2024, 16:18

Foto: EP/Piet 

As eleições para a Assembleia Europeia ou para o Parlamento da União Europeia (UE) terminam hoje [ontem]. Os cidadãos dos 27 estados-membros da UE estão votando em 720 membros da Assembleia. As pesquisas de opinião atuais sugerem que os dois principais grupos “centristas” de membros (a Aliança Progressista de Socialistas e Democratas, de centro-esquerda, e o Partido Popular Europeu, de centro-direita) perderão mais terreno para os que estão à esquerda ou à direita do centro, mas principalmente para os chamados partidos de “extrema direita” da UE.

Esses partidos de direita geralmente se opõem à imigração, a uma maior integração econômica e política da UE, ao fim das políticas “verdes” e relutam em apoiar a política externa dos líderes da UE de apoiar os EUA e a OTAN na guerra na Ucrânia. A “direita dura” está dividida em muitas dessas questões, mas ainda deve ganhar votos devido à fraca expansão econômica europeia, especialmente desde o fim da pandemia da COVID-19, que reduziu os padrões de vida devido à alta inflação de preços, à estagnação da produção e ao declínio das exportações e dos investimentos.

A economia “europeia” (se pudermos considerá-la como uma unidade regional) tem enfrentado sérios problemas. Após cada crise econômica global (Grande Recessão de 2008-9 e a queda da pandemia de 2020), a economia tem lutado para se recuperar, não conseguindo retornar à sua trajetória anterior (enfraquecida) de crescimento, pior em comparação com os EUA.

Na verdade, a história econômica da Europa desde que formou suas várias entidades políticas e econômicas (Mercado Comum, União Europeia, Zona do Euro) tem sido de relativo declínio no século XXI. Na década de 1980, a Europa contribuía com 25% do PIB mundial, enquanto crescia cerca de 2% ao ano. Na década de 2020, a participação da Europa no PIB mundial havia caído para menos de 15%, com crescimento de apenas 1% ao ano.

De fato, em 2023, os principais países centrais, como a França e a Alemanha, estavam em recessão total após dois anos de inflação acelerada, impulsionada pelos altos preços da energia, já que o gás e o petróleo russos baratos foram abandonados (como parte das sanções contra a Rússia) em favor do caro gás líquido importado dos EUA e de outros países. Como resultado, o setor manufatureiro da Europa vem se contraindo nos últimos dois anos (no gráfico abaixo, 50 significa contração).

O crescimento do investimento tem sido muito fraco (e inexistente nos setores produtivos, como o de manufatura).

Ainda há grandes disparidades entre o núcleo rico da Europa e os estados mais pobres da UE, ou seja, os do Leste Europeu que aderiram após o colapso da União Soviética e obtiveram a adesão em 2004 e os do sul da região. Entretanto, a relativa estagnação no núcleo da Europa, especialmente nos últimos anos, fez com que os novos membros de 2004 diminuíssem um pouco a diferença nos padrões de vida em relação ao núcleo.

Em 2004, 75 milhões de pessoas em dez países em processo de adesão tornaram-se cidadãos da UE. Entre 2004 e 2019, o PIB per capita desses países quase dobrou. De acordo com o Banco Mundial, com base em sua medida PPP, oito dos dez países que aderiram à UE em 2004 estavam no grupo de renda média em 2004 (exceto Chipre e Malta) e agora estão no grupo de alta renda. Um estudo avalia que quase um terço do atual nível de padrão de vida desses países pode ser atribuído à adesão à UE (a abertura do comércio, a facilidade de circulação de mão de obra e os fluxos de capital, bem como o financiamento social da UE). Isso contribuiu com cerca de metade do aumento do PIB per capita entre 2004 e 2019.

Mas, até certo ponto, essa “convergência” (experimentada por todos os novos participantes da UE no passado) é uma ilusão. O crescimento mais rápido do PIB real per capita ao longo do núcleo foi alcançado principalmente pela queda da população, e não pelo crescimento mais rápido da produção nacional. As pessoas dos estados pobres do Leste Europeu emigraram para os estados ocidentais em busca de trabalho, assim como as pessoas dos estados do sul da Espanha, Itália, Portugal e Grécia fizeram no passado. Elas enviaram dinheiro de volta e, assim, o PIB por pessoa aumentou.

De fato, um grande problema para a Europa é o provável declínio da população (principalmente da população em idade ativa) com a queda das taxas de fertilidade. Há cinco países no mundo onde a força de trabalho deverá crescer mais de 10% nos próximos 35 anos. São eles a Irlanda, a Austrália, os EUA, o Canadá e a Noruega. Dois outros países, o Reino Unido e a Suécia, têm projeções de aumento entre 5% e 10%. Todos os outros países desenvolvidos devem esperar que suas populações trabalhadoras diminuam. No Japão, ela já está caindo e a projeção é de que diminua em 35% até 2050.

A Alemanha enfrenta um declínio de quase 30%; Portugal, Itália e Grécia, de mais de 20%. De acordo com as projeções da ONU, os dez principais países com as populações que diminuem mais rapidamente estão todos no Leste Europeu. Estima-se que a Bulgária, a Letônia, a Moldávia, a Ucrânia, a Croácia, a Lituânia, a Romênia, a Sérvia, a Polônia e a Hungria verão sua população diminuir em 15% ou mais até 2050. Para a Ucrânia, essa previsão aumentou.

A Bulgária é o país que está encolhendo mais rapidamente no mundo, com a expectativa de que sua população caia de 7 milhões em 2017 para 5,4 milhões em 2050. Na Letônia, estima-se que a população caia de 1,9 milhão em 2017 para 1,5 milhão, enquanto na Moldávia, estima-se que a população diminua de 4 milhões para 3,2 milhões.

A Europa precisa compensar esse déficit demográfico com um aumento significativo da produtividade. No entanto, os níveis de produtividade da Europa (seja qual for a forma generosa de medi-la) permanecem 25% abaixo dos níveis dos EUA, que também sofreram uma desaceleração no crescimento de sua produtividade desde a década de 1990.

No momento, muitos países dependem de uma série de esquemas de apoio e isenções da UE que visam amenizar o golpe financeiro da pandemia de Covid-19, incluindo o Mecanismo de Recuperação e Resiliência (RRF), que viu os países da UE emitirem dívidas conjuntas pela primeira vez. Eles ainda estão fornecendo uma tábua de salvação para os países com a maior dívida. A UE está investindo bilhões de euros em projetos ecológicos e digitais por meio desse fundo específico – no valor de mais de 700 bilhões de euros. No entanto, esse fundo deverá se esgotar no final de 2026 e a Alemanha e a França estão divididas entre manter os gastos públicos e os subsídios da UE para sustentar o crescimento às custas do aumento dos déficits e da dívida; ou cortar para cumprir as metas orçamentárias anteriores da UE.

Uma área em que não serão impostos limites de gastos é a defesa. A mensagem dos governos dos partidos centristas do norte da Europa é que a OTAN e os EUA devem ser apoiados em sua guerra contra a Rússia por causa da invasão da Ucrânia. A Finlândia e a Suécia, antes “neutras” em relação à OTAN, agora aderiram, alegando uma ameaça russa à “democracia europeia”. A mensagem dos líderes europeus para seus cidadãos é “preparem-se para a guerra”. Os gastos militares aumentaram 7% este ano, com uma meta de 2% do PIB para cada membro da OTAN. Isso vai corroer os gastos civis durante o resto do próximo parlamento da UE.

O setor capitalista da Europa está profundamente preocupado. Eles temem ser espremidos entre os EUA e a China em sua guerra geopolítica cada vez mais intensa, com as exportações para a China, que antes era um grande mercado, caindo, enquanto os investimentos na China são revertidos de acordo com as instruções dos EUA. A guerra na Ucrânia já atingiu gravemente o setor europeu e aumentou os custos em todos os setores.

A rentabilidade do capital no centro da Europa caiu muito desde o fim da Grande Recessão e durante a Longa Depressão da década de 2020, sem recuperação após a queda pandêmica de 2020. A lucratividade da França caiu mais de 30% e a da Alemanha, mais de 25%.

Fonte: Banco de dados da AMECO

Até mesmo os novos estados-membros do leste (exceto a Polônia) tiveram queda na lucratividade.

Fonte: Banco de dados da AMECO

O declínio relativo da Europa, econômica e politicamente, parece destinado a continuar durante o próximo período da Assembleia da UE, com crescente divisão e conflito na Assembleia e entre os estados-membros sobre a direção a ser tomada. A participação dos eleitores nas eleições da Assembleia é baixa: 42-51% nas últimas quatro votações. É interessante notar que os estados do Leste Europeu que mais ganharam economicamente (pelo menos para o setor empresarial) têm os índices de votação mais baixos (todos bem abaixo de 40%).

Isso não significa que a UE esteja caminhando para um rompimento. Ainda há um forte apoio entre os cidadãos europeus à ideia de uma “Europa unida”, embora o apoio tenha caído desde a pandemia e a subsequente espiral inflacionária.

Durante a Longa Depressão da década de 2010, após a crise financeira global e a crise da dívida do euro, não é de se surpreender que a maioria dos cidadãos europeus considerasse que a economia estava em maus lençóis. Agora, as pesquisas mostram que esse sentimento é de cerca de 50:50. Em geral, são as pessoas que se consideram de esquerda que demonstram o maior apoio à continuidade da UE. Mas a maioria dos que se consideram de direita também é a favor, mesmo onde há governos céticos em relação à UE, como na Hungria ou na Eslováquia. É somente na França e no Reino Unido que a maioria dos eleitores de direita quer deixar a UE. O Reino Unido saiu em 2020, com resultados terríveis para a economia e as famílias britânicas.

No entanto, se as economias da Europa continuarem a perder terreno e o capital europeu for cada vez mais pressionado pela batalha de poder global entre os EUA e a China, esse apoio majoritário à ideia da UE poderá se dissipar até a próxima Assembleia da UE.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.