Todos às ruas: Derrubar Temer e suas reformas!
Guilherme Prado / Juntos

Todos às ruas: Derrubar Temer e suas reformas!

Contra a corrupção! Eleições Gerais Já!

Secretariado Nacional do MES 18 maio 2017, 18:36

A revelação ocorrida na noite de ontem (17), dos diálogos entre o presidente da JBS e o presidente Michel Temer, como mais uma etapa da Operação Lava-Jato, nocauteou o governo de forma fulminante. As gravações envolvendo diretamente Temer na compra do silêncio de Eduardo Cunha mudam a situação política, colocam o governo contra as cordas e ferem de morte também Aécio Neves.

O grito “Fora Temer” ecoou nas ruas das principais cidades do país, com direito a panelaços durante a noite, concentrações na Avenida Paulista e em Brasília. Para hoje (18), estão marcados atos em todas as capitais, como expressão do descontentamento contra o governo corrupto de Michel Temer.

É hora de tomar as ruas. No caldo da Greve Geral vitoriosa de 28 de abril e na ante-sala da marcha dos 100 mil, marcada dia 24 de maio em Brasília, precisamos seguir mobilizados para derrubar Temer e lutar por novas eleições gerais. Necessitamos defender continuidade da Lava-Jato para desmontar até o final este sistema político corrupto. Mas a construção do novo não pode vir de nenhuma instituição deste Estado. Somente o povo mobilizado pode dar uma saída positiva para a crise. A mobilização popular e a extensão das investigações são fundamentais para evitar a aprovação no Congresso de medidas reacionárias e antipovo como a Reforma Trabalhista e da Previdência.

A burguesia vai tentar estancar a crise com uma saída antidemocrática, provavelmente com eleições indiretas. Mas o povo não pode aceitar que seu destino seja colocado nas mãos deste Congresso corrupto. Estamos num momento histórico. Sem junho de 2013 não estaríamos nele. Sem a operação Lava Jato também não. Momentos históricos são os que mudam um país. A questão é para onde. Nossa proposta é que seja para empoderar os trabalhadores e o povo.

Defendemos a necessidade de unificar todas as forças políticas e sociais em defesa da convocação imediata de novas eleições diretas para presidente e em todos níveis.

A soberania deve ser do povo. As organizações populares, camponesas, e operárias, as associações de profissionais liberais e as instituições que representam a população trabalhadora de modo geral precisam se fortalecer. É verdade que ainda não tem força nem muito menos unidade ao redor de um projeto para assumir o controle do país. Mas este é nosso objetivo estratégico. A crise não será solucionada sem o empoderamento do povo. Por isso uma política de transição, além de fortalecer a auto-organização e a mobilização democrática, passa também por defender uma Assembleia Popular Constituinte, convocada com regras amplamente democráticas, para liquidar as reformas reacionárias, enterrar este regime político moribundo e reorganizar o país com novas bases.

O PSOL e a esquerda social tem a tarefa histórica de ampliar e fortalecer a luta para defender essas bandeiras. Devemos convocar e participar das manifestações em todo país. Não sairemos das ruas até Temer cair!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.