Revista Movimento Movimento (100 anos da Revolução Russa) Movimento (100 anos da Revolução Russa): crítica, teoria e ação

Esperanças vendidas: corrupção, cooptação e capitalismo na América Latina

A realidade do que permitiu a expansão de empresas brasileiras na América Latina, financiadas pelo Estado e em estreita proximidade com os governos da região tem sido desnudada pela Operação Lava Jato.

Trabalhadores participam de Construção de gasoduto no Peru - Reprodução
Trabalhadores participam de Construção de gasoduto no Peru - Reprodução

O megaescândalo de corrupção revelado pela Operação Lava Jato no Brasil, tem repercussões políticas de alcance internacional. Apesar de ter como epicentro aquele país, em três anos, a Operação chegou a 37 países com 159 acordos de cooperação jurídica internacional para troca de provas de corrupção e lavagem de dinheiro pelo mundo. De acordo com a investigação da equipe de jornalistas do portal peruano Convoca, a Operação envolve mais de 10 países na América Latina e mais de 70 agentes públicos, dentre os quais seis presidentes e ex-presidentes.

O processo tem revelado um verdadeiro conluio público-privado sem distinção entre governos da velha esquerda e da direita de sempre. Sem embargo, alguns setores desta esquerda lato sensu (especialmente ligados ao Partido dos Trabalhadores brasileiro) reclamam de seletividade nas investigações. Seus defensores denunciam a Operação como uma “conspiração imperialista” que teria o objetivo de quebrar a indústria “nacional” do agronegócio e da construção civil brasileira para impor uma implacável ofensiva conservadora sobre toda esquerda latino-americana.

Os governos supostamente “progressistas” da região estão implicados por seus próprios erros, mas o envolvimento nas investigações de governos ligados à direita latino-americana (p.ex.: Toledo e Alan García no Peru, Santos na Colômbia, Calderón no México, entre outros); a prisão de figuras como Cunha e Cabral do PMDB brasileiro; e a recente abertura de investigação sobre o ilegítimo presidente Temer e Aécio Neves, candidato da oposição de direita ao governo de Dilma Rousseff nas eleições de 2014, tornam, cada vez mais, este argumento uma espécie de malabarismo político. Malabarismo que termina por secundarizar a luta contra a corrupção, como se dissesse respeito apenas a desvios de conduta individuais e não fosse parte da agenda da esquerda desde sempre.

Este artigo faz parte da 5ª edição da Revista Movimento. Quer ler o texto completo? Compre a edição impressa aqui!

Este artigo integra a 5ª edição da Revista Movimento, de abr/jun 2017. Confira todos os artigos dessa edição!

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Na quinta edição da Revista Movimento, trazemos ao público um especial sobre a crise brasileira. Nele, publicamos longa entrevista com o economista Plinio Sampaio Jr., que oferece instigante diagnóstico do fracasso da política econômica conduzida pelos governos do PT. Fecham a seção dois artigos sobre o poder das corporações no capitalismo global e a teia corrupta que estabelecem com Estados e governos. Um conjunto de artigos sobre a situação internacional aborda as dificuldades enfrentadas pelo governo Trump, a crise na Venezuela e o avanço das lutas no Peru.

Abaporu

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista