Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Evitar a aniquilação

Para prevenir uma catástrofe nuclear, devemos manter-nos em solidariedade com as pessoas comuns de toda a península coreana.

Aviões de combate dos EUA durante a Guerra da Coréia em 1951-1952. Fonte: US Navy / Wikimedia
Aviões de combate dos EUA durante a Guerra da Coréia em 1951-1952. Fonte: US Navy / Wikimedia
Jacobin

Nas mãos de Donald Trump, o poder militar dos EUA começa a mostrar-se ao povo estadunidense da forma como já é visto por povos de todo o mundo: um instrumento aterrorizante de violência bruta e indiscriminada. Mas não é – ao menos não unicamente – a empatia com as vítimas de nossa guerra eterna o que está conduzindo os estadunidenses a lidar com a capacidade destrutiva sem precedentes do país.

É o temor por suas próprias vidas – especificamente, o medo de afundar numa guerra nuclear instigada por um presidente notoriamente errático com um poder de destruição mundial na ponta de seus dedos.

Tais temores de um apocalipse nuclear revelaram-se totalmente esta semana, com três dias de trumpismo com tintas nucleares inspirando piadas meio sérias sobre nossa destruição iminente nas redes sociais. Na terça-feira, Trump fez seus já infames comentários sobre desencadear “fogo e fúria como o mundo jamais viu” contra a Coreia do Norte. Na quarta-feira, no Twitter, o meio presidencial preferido, Trump assumiu os créditos pela modernização do arsenal nuclear – a despeito de que este processo tenha sido iniciado por Obama e de que levará trinta anos (e US$ 1,2 tri) para completar-se. Ontem, Trump questionava-se em voz alta se seus comentários iniciais sobre a Coreia do Norte não foram “duros o bastante”, garantindo, assim, que o fervor nuclear continue por ainda mais um ciclo de notícias.

Trump é claramente capaz de aumentar o terror atômico por conta própria, mas a dinâmica midiática que ele compartilha com Kim Jong-un, líder autocrático do mais recente Estado com armas nucleares, exacerba a situação ainda mais. Entre si, eles conseguiram aumentar o temor público de uma guerra nuclear como nenhum outro conjunto de líderes nacionais desde Reagan e Andropov.

Dito isso, é provavelmente injusto colocar integralmente metade da culpa por este ambiente inflamado nos pés de Kim Jong-un e do governo norte-coreano. Afinal de contas, é difícil para os especialistas, ainda mais para os leigos, separar o Kim Jong-un real da onipresente caricatura midiática sob medida para reafirmar o status de bicho-papão da Coreia do Norte. Esta rica e racista tradição do jornalismo sobre política externa bebe bastante daquilo que Hugh Gusterson chama de “orientalismo nuclear” – essencialmente, a ideia de que nossos monarcas nucleares são calmos e racionais e de que os do Leste são inescrutáveis, impulsivos e perigosos.

Claramente Donald “deixe ocorrer uma corrida armamentista” Trump apresenta um desafio àquele binarismo colonial – mas ainda está por ser visto se ele destruirá sua legitimidade inteiramente. Como Greg Afinogenov aponta na revista n+1, o establishment da segurança nacional ficaria mais do que feliz de substituir Trump por um respeitável administrador do arsenal nuclear. Então, após jogar um lençol sobre os dispositivos apocalípticos que ele expôs, as Pessoas Sérias poderiam retornar a planejar catástrofes em pequena escala no Oriente Médio e no norte da África.

Contrariando a narrativa prevalente, Kim Jong-un não é um lunático e é certamente um ator mais racional do que seu homólogo estadunidense. A ideia cada vez mais popular de que Honolulu ou Seattle deveriam reviver os procedimentos de proteção [“duck-and-cover” no original – as famosas lições durante a Guerra Fria de como agachar-se de cócoras com as mãos na nuca abaixo de alguma proteção em caso de ataque nuclear] ou cavar abrigos de emergência para antecipar-se a um primeiro ataque norte-coreano é francamente ridícula. Um lançamento repentino, “num raio em céu azul”, contra os Estados Unidos, o Japão ou qualquer outro país dessa forma seria um suicídio para os líderes norte-coreanos.

Qualquer ataque nuclear seria seguido de uma enxurrada de contra-ataques dos EUA, cujos recursos militares – nucleares  e convencionais – são tão superiores aos norte-coreanos que até mesmo compará-los é bastante tolo. O programa nuclear da Coreia do Norte é preocupante, mas existe porque o governo aterroriza-se com uma mudança de regime – um resultado que Kim-Jong-un tem razões legítimas para temer dadas as ações estadunidenses no Iraque e na Líbia.

O problema real – o único que em definitivo existe neste momento – é que os dois países possam sem intenção reacender a Guerra da Coreia. A situação extraordinariamente tensa há meses (lembram-se do episódio do porta-aviões Carl Vinson em abril?) e os comentários belicosos de Trump são exatamente o tipo de coisa que poderia transformar um ambiente quente em, bem, “fogo e fúria” subitamente. Se o presidente manifesta algo que soe como uma ameaça, isto pode ser interpretado precisamente assim, levando o outro lado a tomar uma ação peremptória em antecipação a um ataque imediato.

Em um ambiente menos inflamado, tais comentários poderiam ser desconsiderados pelo Norte como meramente destemperados e mal considerados. Contudo, ataques aéreos e mudança do regime são proclamados pela mídia estadunidense e algumas figuras públicas, com trânsito com o presidente, têm tido uma postura bélica estridente contra a Coreia do Norte.

Nas últimas duas semanas, Lindsay Graham e John Bolton, respectivamente senador da Carolina do Sul e ex-membro da administração Bush, publicamente endossaram uma ação militar contra a Coreia do Norte. Suas declarações compartilham uma premissa perturbadora: a de que vidas estadunidenses são inerentemente mais valiosas que as coreanas, sejam do Sul ou do Norte. No Wall Street Journal, Bolton falou de um direito inerente aos EUA de anular mesmo a vontade do governo sul-coreano, argumentando que “nenhum governo estrangeiro, mesmo de um aliado próximo, pode vetar uma ação para proteger os estadunidenses das armas nucleares de Kim Jong-un”.

Os comentários de Graham foram igualmente nacionalistas, argumentando que é melhor ter milhares de “mortos lá” do que ter estadunidenses lidando com um risco remoto de ataque norte-coreano. Ele também sugeriu que o presidente concorda com seu plano.

Com uma retórica como esta ao redor, bombardeiros estadunidenses sobrevoando regularmente a península, exercícios militares no horizonte e Trump falando agressivamente ao estilo KNCA [a tevê estatal norte-coreana] sobre transformar o Norte num mar de fogo, é possível mesmo culpar Pyongyang por ser um pouco paranoica?

A indiferença atual tem implicações nucleares e são estes cenários exóticos que trazem o receio de uma aniquilação imposta por Trump. A questão imediata, porém, é de longe mais concreta e passível de ação: prevenir outra guerra desnecessária.

Os estadunidenses amedrontados com o “Trumpapocalipse” estão, ao menos abstratamente, envolvidos na preservação da paz. Entretanto, para que este sentimento se torne politicamente potente, ele deve ser transformado num sentido profundo de solidariedade – com os sul-coreanos, os norte-coreanos e com as pessoas comuns que lutam pela paz na península.

Isto significaria recusar o chauvinismo de Graham e Bolton, sim, mas também rejeitar a ideia de que a diplomacia só pode ocorrer entre elites dirigentes. Escrevendo no The New York Times no início do mês, Christine Ahn lembrou os leitores de que a diplomacia cidadã há muito tempo tem tido um papel importante em aliviar as tensões entre inimigos nominais, particularmente poderes nucleares. Ao instituir um veto a viagens à Coreia do Norte, ela argumentou, o governo dos EUA está acabando com o engajamento por baixo no mesmo momento em que este é desesperadamente necessário. Isto deve ser retificado.

Os conciliadores no establishment da política externa estão corretos ao argumentar que conversas de alto nível diplomático com a Coreia do Norte diminuirão as tensões e o risco de guerra. Contudo, sem um movimento popular, internacionalista, reivindicando isto, devemos realmente esperar que tais discussões se materializem? Até onde sabemos, o governo Trump rejeita a possibilidade de conversas sem pré-condições – mesmo que isto aproxime a península da guerra.

Arrancar a diplomacia do controle da elite é um objetivo claramente elevado, bem como mover à solidariedade internacional aqueles que temem o terror nuclear. No entanto, os estadunidenses que temem o dedo de Trump no botão estão a meio caminho de um reconhecimento transformador – o de que aqueles que desejam a paz, não importa onde estejam, estão unidos em uma só luta. Como adversários do militarismo e defensores da justiça, é nossa tarefa levá-los além do medo e na direção do internacionalismo.

O tempo é essencial: no fim das contas, o relógio do apocalipse está correndo.

(Artigo originalmente publicado na Jacobin Magazine em 11/08/2017. Tradução por Thiago Aguiar.)

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Na quinta edição da Revista Movimento, trazemos ao público um especial sobre a crise brasileira. Nele, publicamos longa entrevista com o economista Plinio Sampaio Jr., que oferece instigante diagnóstico do fracasso da política econômica conduzida pelos governos do PT. Fecham a seção dois artigos sobre o poder das corporações no capitalismo global e a teia corrupta que estabelecem com Estados e governos. Um conjunto de artigos sobre a situação internacional aborda as dificuldades enfrentadas pelo governo Trump, a crise na Venezuela e o avanço das lutas no Peru.

Abaporu

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista