Congresso do PSOL gaúcho aprova nome de Luciana Genro à presidência da República
Luciana Genro participa do 6º Congresso do PSOL gaúcho - Samir Oliveira

Congresso do PSOL gaúcho aprova nome de Luciana Genro à presidência da República

PSOL gaúcho indica que o partido debata nacionalmente o nome de Luciana Genro para a presidência da República.

Luciana Genro 31 out 2017, 22:43

O VI Congresso Estadual do PSOL-RS aprovou neste domingo (29/10) indicar o nome de Luciana Genro como pré-candidata do partido à presidência da República nas eleições de 2018. A resolução será levada à discussão no Congresso Nacional do PSOL, que ocorre nos dias 2 e 3 de dezembro na cidade de Luziânia, em Goiás.

“O PSOL gaúcho é consciente de que existem outros nomes. Há possibilidade de Guilherme Boulos se filiar ao partido e a hipótese de que seja candidato à presidência existe. Mas isso pressupõe um debate de programa e este programa deve se colocar como uma alternativa tanto contra a direita, como contra a velha esquerda. Em 2014 Luciana encarnou essa possibilidade. Aprovamos essa resolução para que o partido nacionalmente saiba que o Rio Grande do Sul tem um nome a oferecer na disputa presidencial”, disse o vereador Roberto Robaina.

Caso o partido, nacionalmente, opte por uma outra candidatura presidencial, Luciana Genro deverá concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa.

O Congresso do PSOL-RS indicou Robaina como pré-candidato ao governo estadual e também reconduziu o nome de Israel Dutra para a presidência do partido no Estado. Estiveram presentes na mesa de abertura do Congresso lideranças do PSTU, do PPL, da Unidade Popular, além de moradores das ocupações urbanas, dirigentes sindicais e representantes das categorias em greve, como municipários e professores estaduais.

Fonte: https://lucianagenro.com.br/2017/10/congresso-do-psol-gaucho-aprova-nome-de-luciana-genro-a-presidencia-da-republica/


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.