Revista Movimento Movimento (100 anos da Revolução Russa) Movimento (100 anos da Revolução Russa): crítica, teoria e ação

O que a Escola de Frankfurt pensaria sobre as redes sociais?

Hoje, podemos dizer que o lugar mais relevante para buscar a ideologia no mundo da cultura está online, nas redes sociais.

Fevereiro 2014 tweet por Asa Roast (@roastfacekilla).
Fevereiro 2014 tweet por Asa Roast (@roastfacekilla).

Adorno

Como todo surto conservador sobre a Escola de Frankfurt nos lembra, há uma linha do tempo alternativa na direita americana, onde esses marxistas judeus alemães, que fugiram para a Califórnia da Alemanha de Hitler, conseguiram tudo o que eles sempre quiseram e muito do que não queriam. Este artigo não é sobre isso, embora outros artigos sejam.

A questão interessante não é se a Escola de Frankfurt mudou a forma como pensamos sobre a relação entre política e cultura, mas se – ao nos ajudar a explicar isso – eles ainda poderiam.

Quando algo de ruim acontece na minha vida, eu geralmente penso: “Adorno teria visto que isso estava por vir”. O dia da eleição não foi uma exceção. Então fiquei feliz por ver o New Yorker corroborar minha suspeita com um ensaio de 5 de dezembro de Alex Ross intitulado “The Frankfurt School Knew Trump Was Coming“. Ross viu na eleição de Donald Trump algo em direção a uma reivindicação desses intelectuais, particularmente Theodor W. Adorno, o arco-curmudgeon da filosofia marxista conhecido pelos usuários do Twitter como o avatar e a inspiração geral para a conta @NeinQuarterly administrada pelo ex-professor da Universidade da Pensilvânia Eric Jarosinski:

Hoje, há uma causa razoável pela qual Adorno permaneça como o intelectual de esquerda mais presciente do século XX, certamente na tradição alemã. “Já nos anos quarenta, Adorno viu a vida americana como uma espécie de reality show”, escreve Ross, referindo-se a seus estudos de tendências fascistas na sociedade americana enquanto estiveram no exílio. A marca da teoria marxista da Escola de Frankfurt procura a cultura para explicações de como a ideologia molda nosso pensamento e limita o alcance de nossa política. Para Adorno, os meios de comunicação de massa mais maduros para a crítica eram o cinema e a televisão. Hoje, podemos dizer que o lugar mais relevante para buscar a ideologia no mundo da cultura está online, nas redes sociais:

O que Adorno identificou como o apagamento da “fronteira entre cultura e realidade empírica” é endêmico nas mídias sociais. O fracasso do Facebook em interromper a proliferação de notícias falsas durante o período da campanha não deve surpreender ninguém; os mercenários locais da lógica estão muito apaixonados por seus algoritmos – e pelos rendimentos que geram – para intervir.

Mas quem decide qual notícia é falsa? Adorno provavelmente se encolheria com o termo “notícia falsa”, com sua implicação de que a maioria dos meios de comunicação apresenta notícias que, em um sentido distinto e significativo, são “reais”. Na verdade, o principal ponto de partida da famosa teoria da “indústria cultural” de Adorno é que os meio de comunicação de massa não levam ao pensamento crítico e à resistência – pelo contrário. Toda música, todo filme está penetrado em ideologia, o quadro de nossos pensamentos que molda nossa interpretação de eventos e restringe nossa capacidade de pensar além do que acreditamos existir.

“O filme, o rádio e as revistas formam um sistema”, ele e Max Horkheimer escreveram em Dialética do Esclarecimento. “Cada ramo da cultura é unânime dentro de si e todos são unânimes em conjunto. Mesmo as manifestações estéticas de opostos políticos proclamam o mesmo ritmo inflexível”. Todas as “notícias” são, de certo modo, notícias falsas – não porque um grupo de executivos de entretenimento conspiram em fazer lavagem cerebral em nós, mas porque todos criamos um sentido de mundo através de histórias que são sempre parciais e nunca completas. Não importa quão precisa achamos que nossa perspectiva é, ao estruturar nossa experiência, a ideologia inevitavelmente deixa algo de lado.

O principal das preocupações de Adorno é que, na indústria cultural, o que é deixado de fora é um entendimento não só dos mecanismos reais de poder na sociedade, mas também da possibilidade de que esses mecanismos possam ser alterados. A submissão no domínio da cultura nos prepara para sermos submissos no campo da política.

A função autoritária da indústria cultural permeia todos os níveis de sua existência, até a forma como um texto específico é construído. Cada produto é tão padronizado como os desejos dos consumidores aos quais interage. É importante lembrar que Adorno está baseando sua análise em observações nos EUA: os cidadãos supostamente livres da democracia liberal buscam refúgio da linha de montagem no entretenimento, apenas para encontrar sua subordinação à repetição de fórmulas refletida de volta neles em uma espécie de fordismo da mente que, ano após ano, mantém os mesmos tropos e narrativas básicas descendo a linha de montagem.

Quase duas décadas depois, em seu ensaio “Transparências no Filme” no jornal alemão Die Zeit, Adorno revela que ele se iluminou um pouco. Sua questão agora é que o cinema é coercivo e perigoso devido à sua própria essência como um medium. Ele aponta para a dependência do filme em relação ao movimento, e a “coletividade” de como as pessoas experimentam a inexorável sequência de imagens em movimento que define um filme: “Os movimentos que ele retrata são impulsos miméticos. Antes de todos os conteúdos e conceitos, esses movimentos incitam os espectadores e ouvintes a se moverem junto com eles”.

O que Adorno quer dizer por “impulsos miméticos” é que assistir a um filme implica necessariamente que o espectador se submete e acompanha o fluxo de imagens, incluindo as formas que essas imagens nos manipulam ao parecer aliviar a nossa solidão e satisfazer movimentos emocionais profundamente assentados de outra forma não realizados por nossa vida social fragmentada. Se pensamos que sabemos melhor ou não, as ideias com as quais saímos do cinema são ideias sobre o que há de errado com o mundo e como melhorá-lo.

Neste ensaio, Adorno parte do seu pessimismo geralmente desdenhoso para oferecer um vislumbre de esperança de que o filme pode ser capaz de contrariar suas tendências manipuladoras – lançar a reprodução da ideologia fora de sincronia, e apontar além dela – expressando, visivelmente e concretamente, a vida interior do indivíduo moderno, seu fluxo de consciência. No capitalismo, assim vai a teoria marxista da alienação, a ideologia impede as pessoas de acessar parte de si mesmas, o seu próprio potencial para construir alternativas ao status quo. Um filme verdadeiramente radical reflete essa fragmentação do sujeito:

A estética de um filme terá de se basear em um modo de experiência subjetivo, que deve aspirar a simular independentemente da extensão de sua sofisticação tecnológica e que lhe confira o caráter de arte. O fluxo de imagens deve se relacionar com o filme como o mundo visual se relaciona com a pintura ou o mundo acústico com a música. O filme seria arte se fosse objetivar, em sua representação, esse modo de experiência.

Adorno pensa que a melhor maneira de “objetivar” (fazer o que está dentro um objeto externo) como as pessoas experimentam a sociedade é através da revitalização da antiga estética soviética de montagem, que o aluno de Adorno, o cineasta modernista Alexander Kluge, explica como uma “teoria de relacionamentos”:

Devido à relação que se desenvolve entre duas sequências e, na medida em que o movimento (a chamada cinemática) é gerada entre essas duas sequências, a informação está escondida no corte que não seria contida na própria sequência. Isso significa que a montagem tem como objetivo algo qualitativamente bastante diferente da matéria-prima.

Você geralmente não vê essa possibilidade explorada nos filmes hoje porque ela chama a atenção do espectador para o fato de que a imagem do filme não é simplesmente dada, mas sim produzida – ela torna difícil “suspender sua descrença” e aproveitar o filme como entretenimento. O desafio de Adorno, assumido de forma mais explícita por Kluge em filmes como The Patriot (1979), é que a mídia se abstenha de impor um significado fixo ao espectador. Ao fazê-lo, o fluxo coercivo de imagens fica aberto, apresentando ao espectador com a chance de recuperar sua agência.

A maioria dos críticos de cinema honestos familiarizados com o modernismo europeu pós-guerra irão admitir que contrariar as normas da narrativa convencional não funcionou realmente. Mas o desafio é tão urgente hoje como sempre foi, já que vemos o poder da mídia para redesenhar os parâmetros do que é pensável e do que se pensa, do que é factível e do que é feito. As plataformas de mídia social mais politicamente conseqüentes – Facebook e Twitter – deixaram bem claro que elas são a forma dominante e estruturante de mídia em nossas vidas diárias.

É definitivamente uma extensão dizer que Adorno teria sido otimista sobre o Facebook e o Twitter, onde a participação política e o consumo de mídia convergem no ato único de postar. Quando o que Marx chamou de esfera das relações sociais é transposto para o domínio digital, a ação política é principalmente limitada a produzir conteúdo online – trabalho pelo qual não somos remunerados, mas que transforma uma pequena elite de capitalistas como Mark Zuckerberg em bilionários.

Ao permitir-nos perseguir o nosso desejo por sucesso profissional e comunitário enquanto estamos sentados em casa, as mídias sociais parecem impedir a possibilidade de imaginar alternativas concretas. Essa nova tecnologia não faz um escárnio da sugestão de Adorno de que os meios de comunicação devem canalizar o “fluxo subjetivo da consciência”? Certamente ele dobraria seu pessimismo original, explicando como a injunção para “expressar a si mesmo” não é menos enganosa do que o antigo conformismo – talvez tanto mais, já que os nossos “eus” são sempre modelados segundo o que vemos nos outros, em outras pessoas e instituições mais amplas.

Os usuários de redes sociais publicam uma popular hashtag em massa de Twitter, cada tweet uma variação infinitesimal em uma opinião geralmente bastante e amplamente disseminada que o usuário identificou com seu próprio lugar no espectro político. Nossas supostas “bolhas” não são bolhas – elas têm sido permeáveis durante todo esse tempo, e elas podem mudar rapidamente. A fragmentação do sujeito e do espaço social em si foi multiplicada mil vezes, com cada pessoa e instituição capturada na interseção entre categorias distintas e concorrentes de identidade.

O fundador do extrema-direita Breitbart News, Andrew Breitbart, gostava de dizer que “a política é a jusante da cultura”. A Escola de Frankfurt concordaria, mas acrescentaria (como todos os bons marxistas) que a cultura é, por sua vez, a jusante da economia, que é realmente a jusante das pessoas ricas que fazem xixi no rio. Em seu menor pessimismo, Adorno nos diz que, afirmando nossa subjetividade na esfera da cultura, podemos, de certo modo, armar nosso senso de si próprio e a temporalidade alternativa da modernidade que está dormente em nós.

Memes

Enquanto o uso do próprio Twitter de Trump tenha sido ridicularizado impiedosamente na mídia convencional, ele tem sido retrospectivamente reconhecido como uma aproximação mais rápida para as mídias sociais do que a da campanha Hillary Clinton.

Um artigo da Newsweek de Shontavia Johnson argumenta que a presença do Twitter “sem censura” de Trump aproveitou a capacidade da plataforma das mídias sociais de permitir que os usuários construam pessoas convincentes em vez de simplesmente recitar slogans da campanha. Conscientemente ou não, Johnson diz, Trump aproveitou o potencial das mídias sociais para atuar como uma válvula de liberação para o desejo prolongado dos americanos de prosseguir e falar política na mesa do jantar:

Enquanto os americanos tendem a evitar discussões sobre política offline, ambientes de mídia social como o Twitter tornam quase impossível evitar interações políticas na internet. Embora pesquisas mostrem que poucos apoiadores de Clinton ou Trump têm amigos próximos no campo oposto, as mídias sociais estendem significativamente essas conexões.

Enquanto os usuários de redes sociais geralmente são amigos no Facebook de pessoas que conhecem na vida real, o Twitter, que atualmente tem cerca de 300 milhões de usuários ativos, geralmente conecta usuários a pessoas que eles não conhecem pessoalmente e nunca se encontraram offline. Isso significa que juntos, Facebook e Twitter deixaram os americanos politizarem a si mesmos e suas esferas sociais, inclusive se tornando expostos à informação no Twitter que eles então introduzem em seus círculos sociais imediatos.

A formação política radical mais estreitamente ligada a ascensão de Trump é a alt-right, cujo ethos político engloba a estética irônica da internet com uma oposição veemente aos valores culturais liberais, incluindo o multiculturalismo e o feminismo.

Usando fóruns online como Reddit e 4chan, a alt-right surgiu em um espaço social que lhe permite se mobilizar em número contra qualquer coisa na cultura considerada ativista e “politicamente correta”: desde sabotar as classificações do YouTube de filmes de ação centrados nas mulheres até perseguir sua estrela para fora do Twitter com campanhas coordenadas de assédio. É um tipo de reação distinta, anti-establishment, obcecada pela cultura.

Através das redes sociais e de outras mídias novas que dependem das mídias sociais para distribuição, pessoas com menos de 44 anos – que compõem mais de dois terços dos usuários do Twitter – não só entraram em contato, mas organizaram identidades políticas claramente agressivas em torno das ideologias de extrema direita que haviam sido inacessíveis para a cultura mainstream norte-americana em toda a sua vida.

O fascismo da alt-right não é o mesmo fascismo antigo. Os reacionários de hoje não defendem a alta cultura contra a cultura popular, ou a cultura tradicional contra a contracultura – o alt-right defende a cultura pop contra ela mesma, contra suas próprias tendências progressivas (pelo menos aparentemente).

Há um núcleo de verdade para a obsessão da alt-right com a correção política e a agenda esquerdista invadindo suas franquias de filmes favoritas: eles identificam e celebram o fato de que muitos dos produtos mais populares e influentes da indústria cultural “liberal” refletem hierarquias e narrativas conservadoras.

Obviamente, a maioria dos conteúdos de mídia social da alt-right (como a maioria dos conteúdos das redes sociais) é genérico e não significativo, mas em casos particulares é claro que a imaginação alt-right justapõe fragmentos de informações de todos os cantos da identidade social de uma pessoa, cantos como os aparentemente não relacionados idealismo alemão e anime japonês.

Logo após a eleição, um amigo chamou a minha atenção para um vídeo do YouTube, no qual um jovem branco corpulento de óculos é entrevistado, aparentemente ao acaso, por uma repórter, Dorothy Bishop, e sua equipe de câmera em uma marcha anti-Trump em Nova York. O título do vídeo no YouTube é: “#Discurso Trump é um idealista alemão #nyC protesto #fifthAve”. Em resposta à pergunta hackeada e não-suspeita da repórter, “Você votou?”, o homem começa um “discurso retórico” sem expressão de três minutos:

Apesar de pedir à multidão que o seguisse no Twitter, o homem – que eu identifiquei mais tarde como o usuário do Twitter @kantbot2000 (Edward Waverley, agora @KANTBOT10K) – negligenciou mencionar o identificador dele. Tomado por curiosidade, eu tweetei o vídeo com a pergunta: “quem é ele e qual é o seu @” (uma maneira comum de crowdsourcing tais problemas de identidade). Waverley exibia um avatar de Pepe, mas era o tweet fixado dele que era o mais iluminador. Peguei essa captura de tela e postei para o Twitter:

O texto do próprio tweet, que cita diretamente uma expressão pré-eleitoral de confiança por Trump, é por si só uma celebração genérica. O meme abaixo é muito mais complexo. No texto do meme, Waverley cita o seu próprio (claramente bem preparado) “discurso retórico”, enquanto a imagem em si é uma imagem icônica da popular série japonesa de anime e mangá Dragon Ball Z, um texto que a maioria é pelo menos vagamente familiarizada, e que muitos se lembram com carinho como possivelmente o mais hipermasculino e repetidamente violento de todos os programas de anime dublados na TV a cabo básica.

A imagem original mostra o personagem principal, Goku, e seu jovem filho Gohan voando em uma nuvem, mas no meme de Waverley seus rostos foram cortados e substituídos pelos rostos de Trump e seu filho mais novo, Barron.

O fato de que Waverley começa seu “discurso” rejeitando a democracia e o acaba identificando a si mesmo como um membro da alt-right e vangloriando que “nós conseguimos eleger Trump” já é uma forte sugestão de suas inclinações políticas, mas isso já é entendido pelo manifestante que denuncia Trump como um fascista e denuncia a nomeação nonsense de Waverley como “aprendizado de livros”.

A grande variedade de associações que obtemos no discurso de Waverley deixa claro que ele e outros usuários de alt-right não só ouviram falar do mítico continente perdido de Thule e aprenderam que o filósofo Friedrich Schelling era companheiro de quarto de Hegel e do poeta Friedrich Hölderlin.

Estas são pessoas que estudaram e discutiram a história do pensamento reacionário na medida em que são conscientes não só da tradição filosófica alemã, mas também de que o precursor do Partido dos Trabalhadores Nacional-Socialista Alemão de Hitler (NSDAP), o Partido dos Trabalhadores Alemão (DAP), foi patrocinado pela Thule Society, uma organização ocultista e völkisch (nacionalista étnica), cujos membros incluíram o deputado de Hitler Führer Rudolf Hess e o influente intelectual nazista Alfred Rosenberg.

O que é radical aqui é a forma como as pessoas conseguiram formar uma nova identidade política por meio de elementos aparentemente incongruentes. Juntos, esses elementos começam a abordar todo o espectro de nossos interesses como membros da sociedade, permitindo que os jovens se orientem em relação a uma história e a uma política com as quais eles não têm nenhuma conexão geográfica ou cultural.

O “discurso” e o meme de Waverley radicalizam o elemento de montagem latente em cada timeline do Twitter, com sua fragmentação em tweets de 140 caracteres: este sobre Putin, aquele sobre poutine.

Talvez até Adorno, em um bom dia, não seria o último a admitir o fato de que, enquanto o cinismo inteligente envolvido na distância irônica de Waverley mina o potencial utópico da montagem, há uma outro caminho: um que leve a distância irônica como o terreno necessário para uma revitalização séria da política.

A era das mídias sociais caracteriza-se precisamente por essa superabundância caótica de informação, essas subjetividades sobrepostas que podem relacionar o indivíduo com filósofos alemães, por um lado, e, por outro, com seus desenhos animados favoritos. Que este é o caso é afirmado pela superabundância de pensamentos liberais que “explicam” a política em termos de algum fenômeno da cultura pop reconhecível.

Basta limitar a sua pesquisa para comparações diretas entre Game of Thrones e as eleições presidenciais, que produzem manchetes que variam de “As maneiras surpreendentes pelas quais ‘Game of Thrones’ se assemelha com a política moderna” no The Washington Post’’s Wonkblog para “A ala de Westeros: a política de ‘Game of Thrones‘” no New Yorker para a proclamação pós-debate do Daily Beast, “Hillary Clinton vai como completa Khaleesi, põe fogo no debate da CNN“.

Não é necessário um teórico crítico para descobrir que a justaposição criativa nessas ideias não é mais espontânea ou subjetiva do que as fórmulas de Hollywood dos pesadelos de Adorno.

Parece confirmar o pessimismo de Adorno sobre os meios de comunicação de massa que o Facebook e o Twitter são úteis para a organização da extrema-direita e tendem a revelar a inautenticidade focada em grupo do liberalismo dominante. Mas as identidades políticas de esquerda, baseadas em pensamento crítico e imaginação utópica, também podem surgir – não apenas a despeito de, mas como resultado direto de nossas fragmentadas, mas ainda interconectadas, subculturas.

O apoio de jovens usuários ativos de redes sociais para a campanha presidencial de Bernie Sanders testemunha os primeiros passos cambaleantes de uma consciência política de extrema esquerda popular nos Estados Unidos, acompanhada de pesquisas recentes que sugerem que a bandeira do “socialismo”, antes vista como tabu, perdeu grande parte do seu estigma entre a geração mais nova de americanos adultos.

O grupo do Facebook “Dank Meme Stash de Bernie Sanders” reuniu cerca de 300.000 membros que criaram e compartilharam memes associativos-livres e auto-referenciais. Um dos memes mais amplamente circulados foi “Bernie vs. Hillary”, que começou como uma comparação direta das posições dos dois candidatos, mas que logo começou a comentar sobre si mesmo, debochando as tentativas Democratas de minimizar o fosso entre eles imputando a eles posições contrastantes sobre questões políticas imaginárias como “Olive Garden”:

O que o Olive Garden tem a ver com as eleições? Nada, na verdade: ambos fazem parte de uma vida social onde o entretenimento e o consumo se tornaram inextricável do pensamento e da ação política.

A “resposta” de Sanders – que ele apenas prefere o Olive Garden quando ele está chapado de maconha – aponta além de seu papel estritamente político como um democrata social sincero, em direção ao fato de que nossas identidades políticas reverberam por toda parte toda a nossa vida. Bernie é tão franco em sua avaliação de restaurantes italianos como ele é sobre sua política.

Da mesma forma, a “resposta” de Clinton, um endossamento banal de Olive Garden, estende sua identidade estreitamente política como uma “establishment” centrista cínica para uma pessoa que está das merdas que são ditas sobre tudo.

O que é marxista aqui não é a defesa de alguma política. Em vez disso, como Fredric Jameson coloca, “o utopismo envolve uma certa distância das instituições políticas que incentivam um jogo interminável de fantasia em torno de suas possíveis reconstruções e reestruturações”.

Enquanto o “Dank Memes do Bernie Sanders” geralmente não alcança o nível de justaposição radical que vimos, por exemplo, na constelação da alt-right de Trump, idealismo alemão e Dragon Ball Z, o elemento de montagem está, no entanto, presente na medida em que os elementos políticos e aparentemente não políticos de nossas vidas lentamente se tornam reencaminhados.

Nenhuma quantidade de memes pode realmente unificar os cantos fragmentados de nossas personalidades. A enorme amplitude de comunidade e informação online sempre correrá o risco de permitir que pessoas jovens e frustradas recuem em subculturas que desviam sua energia.

“Mas onde reside o perigo”, o colega de quarto de Schelling, Hölderlin, escreveu uma vez, “também cresce a salvação”. Memes e as subculturas políticas que emergem em torno deles apontam além do espectro ideológico estreito, e a noção estreita do que é político, que os americanos tradicionalmente tomaram como certa. Para o melhor e para o pior, a próxima geração da política americana está sendo radicalizada não pela influência de intelectuais estrangeiros, mas pelos filhos de hoje, os herdeiros da indústria cultural.

Tradução de Giovanna Marcelino

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Na quinta edição da Revista Movimento, trazemos ao público um especial sobre a crise brasileira. Nele, publicamos longa entrevista com o economista Plinio Sampaio Jr., que oferece instigante diagnóstico do fracasso da política econômica conduzida pelos governos do PT. Fecham a seção dois artigos sobre o poder das corporações no capitalismo global e a teia corrupta que estabelecem com Estados e governos. Um conjunto de artigos sobre a situação internacional aborda as dificuldades enfrentadas pelo governo Trump, a crise na Venezuela e o avanço das lutas no Peru.

Abaporu

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista