Balanço e Perspectivas – Introdução
Imagem da antiga cela pertencente a Leon Trotsky nas dependências da Fortaleza de Pedro e Paulo - Reprodução

Balanço e Perspectivas – Introdução

112 após ser preso por comandar a Revolução de 1905, republicamos introdução à obra em que realiza análise das experiências vividas na insurreição.

Leon Trotsky 3 dez 2017, 15:55

Na Rússia de 1905, após ter tido papel central durante a Revolução daquele ano à frente do soviete de Petrogrado, Leon Trotsky seria preso pelas forças policiais czaristas e então levado à Fortaleza de Pedro e Paulo  – fortificação militar do século XVIII erguida no coração da antiga capital do império – onde cumpriria pena. Exatos 112 anos após seu encarceramento, publicamos a introdução ao livro Balanços e Perspectivas, escrito em 1906, no qual o autor avalia as experiências do movimento insurrecional do ano anterior.

Balanço e perspectivas

Introdução

A revolução que se produziu na Rússia constituiu uma surpresa para todo o mundo, exceto para os social-democratas. O marxismo, desde há muito tempo tinha previsto que a revolução russa sairia inevitavelmente do conflito entre o desenvolvimento do capitalismo e as forças do absolutismo ossificado. O marxismo apreciou antecipadamente o caráter social da futura revolução russa. Chamando a esta revolução uma revolução burguesa, o marxismo sublinhou que as tarefas objetivas imediatas da revolução consistiam em criar “condições normais para o desenvolvimento da sociedade burguesa tomada como um todo”.

Foi demonstrado, a ponto de tornar qualquer discussão ou nova prova inúteis, que o marxismo tinha razão em tudo isto. Mas os marxistas devem agora enfrentar uma tarefa de natureza diferente: é necessário, analisando o mecanismo interno da revolução, descobrir as possibilidades que ela apresenta no seu desenvolvimento. Seria um erro estúpido contentarmo-nos em identificar a nossa revolução com os acontecimentos de 1789-1793 ou de 1848. As analogias históricas de que vive e se alimenta o liberalismo não podem substituir a análise social.

A revolução russa reveste um caráter absolutamente especial, que resulta da tendência particular de todo o nosso desenvolvimento histórico e social, e abre-nos perspectivas históricas absolutamente novas.

Fonte: https://www.marxists.org/portugues/trotsky/1906/balanco/introducao.htm


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.