Amazônia sob ameaça da Hydro
JOÃO RAMID/FLICKR/CREATIVE COMMONS

Amazônia sob ameaça da Hydro

A população local não se cala perante os danos ambientais advindos da exploração de tipo capitalista na região.

Viviane Reis 28 fev 2018, 13:34

No último dia 17 de fevereiro, um grande desastre tecnológico 1 assolou centenas de famílias do município de Barcarena, no Pará: rejeitos do processo de refino da bauxita vazaram, da bacia da empresa norueguesa Hydro, afetando rios e moradias. Casos de contaminação das águas dessa região não são recentes, desde 2009 há denúncias contra as empresas mineradoras e aplicação de multas por crimes ambientais, totalizando R$17,1 milhões que nunca foram pagos. Por outro lado, o Governo do Estado do Pará, sob o comando de Simão Jatene (PSDB), que deveria cobrar das multinacionais responsabilidade ecológica e social segue na contramão dessas cobranças que poderiam minimizar o sofrimento dos moradores da cidade de Barcarena – haja vista que fornece incentivos fiscais a essas empresas quando deveria exigir que cumprissem com o pagamento das multas milionárias.

Enquanto isso, o povo padece por causa de doenças dermatológicas, gástricas e respiratórias devido o contato e ingestão de substâncias tóxicas como alumínio, soda cáustica e chumbo.

A Hydro segue com isenção de ICMS da energia elétrica que corresponderá a 7,5 bilhões no período de 2015 a 2030, isso representa cerca de 500 milhões de reais a menos nos cofres públicos em um ano.

Nesse contexto, a população local não se calou perante os danos ambientais advindos das mais de vinte bacias de rejeitos químicos. Em 2017, várias denúncias e manifestações ocorreram, as notificações mais graves dizem respeito a localização de um depósito de resíduos em área de proteção ambiental (APA) e de comunidade quilombola. Em declaração a imprensa, a Hydro afirma que tem licença ambiental da Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS) e não sabe da existência de território quilombola na área. Claro que ela desconhece essa comunidade, pois para o capitalismo as vidas negras não importam.

A mesma secretaria (SEMAS) que supostamente liberou licença para uso da Área de Proteção Ambiental não cumpre o papel fiscalizador. Mas seria um caso de incompetência ou de conivência?

Afinal, antes da divulgação do laudo do Instituto Evandro Chagas, a SEMAS afirmava que não havia ocorrido vazamento da bacia e a Hydro negava todas as acusações.

No dia 22 de fevereiro foi comprovada a contaminação por transbordamento da bacia de rejeitos e existência de um tubo clandestino lançando substâncias tóxicas para Igarapés e nascentes de rios. Então não teve saída: a culpa foi assumida pela empresa e firmado um acordo de distribuição de água potável para a comunidade de Bom Jesus e Vila Nova. Mas nada foi feito quanto a saúde física, mental e social dos indivíduos que tiverem os corpos expostos a substâncias que predispõem comorbidades como o câncer.

Na tentativa de intervir nesse cenário, uma comitiva de deputados federais e outras autoridades visitaram a planta industrial e logo em seguida realizaram uma audiência pública que contou com excelente demarcação política das lideranças comunitárias exigindo soluções, notificando sobre as perseguições que sofrem e o descaso das autoridades em tomar providências imediatas. “Enquanto vocês bebem água mineral. Nós estamos tomando veneno da Hydro” foram as palavras indignadas da representante da Associação indígena e quilombola da Amazônia (Caiqama).

Em entrevista, o governador tucano atribui a culpa do desastre às intensas chuvas. Provavelmente, o governador do Pará desconhece que o inverno amazônico é caracterizado por constantes chuvas ou ele não tem o mínimo interesse em apontar os verdadeiros culpados.

Nós sabemos quem deve pagar por isso! A Hydro e o Poder executivo devem respostas e soluções ao povo!

A população pobre não pode mais padecer enquanto os poderosos lucram!

Colaborou Heliane Abreu, professora da rede privada de ensino de Belém/PA.


Nota

Segundo a Classificação Brasileira de Desastres (COBRADE) desastre tecnológico refere-se a contaminação por substâncias radioativas ou produtos tóxicos.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.