Por que não apoio Boulos
Guilherme Boulos posa ao lado de Lula - Ricardo Stuckert

Por que não apoio Boulos

Boulos não está disposto a se contrapor a Lula na disputa eleitoral. Queremos um PSOL como linha auxiliar do PT?

Sérgio Granja 17 fev 2018, 16:33

Boulos não poderia ser uma ótima opção para representar a esquerda radical no processo eleitoral de 2018? Parece que sim. Com Boulos, teríamos uma campanha popular, de massas, mesmo que sem um programa anticapitalista radical. Como diria Marx, um passo no movimento real vale mais do que mil programas. Mas o problema é que Boulos não está disposto a se contrapor ao Lula na disputa eleitoral. E mesmo que Lula não seja candidato, Boulos não está disposto a se contrapor ao PT. Mais do que isso, ele gostaria de ser o candidato do PT com o apoio do PSOL. Para defender qual programa? O mesmo programa água com açúcar que o petismo encarnou durante 14 anos nos governos Lula e Dilma, talvez indo um pouquinho além aqui ou ali.

Então, o problema da candidatura Boulos pelo PSOL é que ele não quer ser o candidato da esquerda radical, mas de um amplo leque de forças hegemonizado pelo lulopetismo.
No PSOL, há um setor que aposta nessa direção. Esse setor, majoritário no VI Congresso, sabe muito bem o que está fazendo quando acena com a candidatura Boulos, paralisando o partido por três meses, quando, então, se não der para ir de Boulos ou Lula, lança-se “qualquer um” que não atrapalhe o lulopetismo no primeiro turno e prepare a avenida da adesão ao lulismo no segundo turno.

Enfim, essa é a estratégia eleitoral dos que, dentro e fora do partido, querem o PSOL como linha auxiliar do PT.

No polo antitético estão os que querem prévias e a construção de uma programa anticapitalista. Estes, estão majoritariamente com Plinio Sampaio Jr., mas também com Nildo Domingos Ouriques e outras opções.

O problema Boulos está posto. Os próximos meses dirão se o PSOL está à altura do desafio.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.