Justicia por Marielle e Anderson!
Manifestantes se reúnem em ato multirreligioso por Marielle no Rio - Ricardo Borges

Justicia por Marielle e Anderson!

Marea Socialista condena o assassinato da vereadora Marielle Franco e exige justiça e celeridade no caso.

Marea Socialista 21 mar 2018, 16:57

Desde Marea Socialista, nos unimos à tristeza que embarga os povos latino-americanos em consequência do covarde assassinato de nossa companheira e lutadora Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro pelo Partido Socialismo e Liberdade.

Esta profunda tristeza explica-se ao se comprovar que a violência e a morte se instalaram como métodos dos poderosos de calar a dissidência. Um tristeza que ao contrário de nos desmobilizar nos produz indignação, nos produz profundo mal-estar. Não podemos ficar tranquilos enquanto são os corpos das mulheres, os negros, os pobres, os ambientalistas, as trans, os que lutam contra a corrupção as principais vítimas desta violência assassina.

Nos somamos à exigência de justiça que deve ser assegurada a todo custo, coisa que não procederá como um trâmite burocrático mas como uma luta a se conquistar, porque a impunidade é a norma de um estado corrompido como o é o Estado brasileiro neste momento.

Saudamos com profundo respeito e carinho a nossos companheiros do PSOL e ao povo brasileiro em geral nesta dolorosa perda, que unifica toda a humanidade brasileira que opina que esse extenso e belo território pode ser compartilhado em tolerância, aceitação e respeito.

Por Marielle, uma mulher que sintetizava em sua luta um projeto de mundo distinto da barbárie capitalista.

15 de março de 2018


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.