Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Estamos na véspera de outra revolução nicaraguense?

O país caribenho se incendeia enquanto o presidente Daniel Ortega assassina os manifestantes contrários ao governo.

Reprodução
Reprodução

O governo do presidente nicaraguense e ex-revolucionário Daniel Ortega matou pelo menos 24 manifestantes que protestavam contra mudanças repentinas e drásticas em uma nova lei previdenciária, mudanças que afetariam adversamente a renda e a vida de dezenas de milhares de pessoas. Cerca de 200 pessoas foram presos e 20 estão desaparecidas, segundo a Comissão Nacional de Direitos Humanos. Outros manifestantes, muitos deles universitários, foram espancados pela polícia ou por capangas armados com cassetetes enviados pelo partido do presidente Ortega, pela Juventude Sandinista e pela Frente Sandinista pela Libertação da Nicarágua.

A gestão Ortega também fechou o canal de notícias Noticias e o Canal 12 para evitar a cobertura dos eventos e críticas a seu governo. Bandidos sandinistas bateram em repórteres e destruíram câmeras de vídeo de TV também. Angel Gahona, jornalista do programa “Onda Local” no Facebook Live, estava fazendo reportagens sobre os protestos quando foi baleado e morto no meio de sua transmissão. Seu assassinato, a censura e a repressão levaram, por sua vez, a mais protestos e saques nos mercados de Manágua.

Os estudantes convocaram uma greve em todos os campi universitários e, surpreendentemente, os agricultores chamaram uma paralisação até que as demandas dos estudantes sejam atendidas. Grandes manifestações de milhares de pessoas ocorreram em Manágua e outras cidades. Diplomatas americanos foram ordenados a deixar o país o mais rápido possível. O cardeal católico Leonardo Brenes está tentando marcar uma reunião entre o Conselho Nacional de Empresários (COSEP) e o governo de Ortega. Embora seja muito cedo para dizer o que acontecerá, o levante atual tem todos os sinais de um movimento revolucionário – embora até agora sem uma liderança.

A lei de pensões de Ortega segue a mesma lógica neoliberal de outras legislações em países do mundo todo; isto é, a imposição da austeridade à classe trabalhadora e aos pobres. A nova lei aumentaria as contribuições do empregador e do trabalhador e, ao mesmo tempo, reduziria os benefícios gerais. A Nicarágua, com uma população de seis milhões de habitantes, é um dos países mais pobres da América Latina, com mais de um terço do país vivendo na pobreza e metade nas áreas rurais em extrema pobreza. Lá, a renda média é de cerca de US $ 2,00 por dia.

Os protestos levaram Ortega a anunciar que ele está cancelando a lei de reforma da previdência e que negociará, mas não está claro com quem ele negociará ou se está ou não preparado para fazer concessões significativas. Alguns adversários, levantando o slogan “Nós não temos medo”, estão exigindo que Ortega, agora em seu terceiro mandato consecutivo como presidente (seu quarto mandato ao todo), renuncie.

O que deu errado?

Como um partido político e um governo nascido de uma revolução popular em 1979 erraram tanto e de muitas maneiras? Pois, embora essa seja a pior repressão na história pós-revolucionária da Nicarágua, ela não é única. Desde 2014, agricultores e ambientalistas manifestaram-se contra os planos de Ortega para um canal interoceânico financiado pela China em toda a Nicarágua, e a polícia freqüentemente usa a violência contra esses manifestantes. O governo, que é aliado da Igreja Católica, também assedia o movimento feminista que procura derrubar as leis do país contra o aborto.

Enormes outdoors em toda Manágua trazem retratos sorridentes de Ortega e sua esposa e co-presidente virtual Rosario Murillo, proclamando: “Cristã, Socialista, Solidária!” Mas o regime seria melhor descrito como autoritário, pró-negócios e anti-operário. O governo Ortega Sandinista é produto tanto da ideologia que inspirou seu passado revolucionário quanto dos acordos que constituíram sua prática desde 1990. Como argumento em meu livro What Went Wrong? The Nicraguan Revolution: A Marxist Analysis, o problema central é que os sandinistas nunca mantiveram a democracia como um valor central, nem em seu passado revolucionário nem em seu presente pós-revolucionário e bastante reacionário.

No entanto, os sandinistas já haviam inspirado a esquerda ao redor do mundo. De 1936 a 1979, a Nicarágua era governada pela família Somoza, uma ditadura dinástica brutal, apoiada pelos Estados Unidos, que em alianças com setores dos partidos liberais e conservadores usavam o Estado para proteger os latifundiários, modernizar a economia e reprimir seus oponentes. Os sandinistas, fundados em 1961 por um pequeno grupo de ex-comunistas stalinistas (membros do Partido Socialista da Nicarágua) que se tornaram admiradores de Fidel Castro e Ernesto “Che” Guevara, adotaram uma estratégia de guerrilha.

Depois de quase quinze anos atuando como minúsculos grupos de guerrilheiros nas montanhas e organizando de alguns sequestros espetaculares e assassinatos de oficiais do governo, o movimento revolucionário do sandinista estancou. A guerra de guerrilha foi um fracasso. O que se deveria fazer?

Os frustrados líderes sandinistas divididos em três facções rivais, uma liderada por Daniel Ortega e o escritor Sergio Ramírez, chamada de “Terceira Tendência”, que acabou vencedora, pediram uma nova estratégia baseada em um programa moderado, uma aliança com a burguesia progressista. apoio de outros governos latino-americanos e uma invasão militar armada da Costa Rica combinada com uma revolta nacional. Apoiados por milhares de combatentes estrangeiros latino-americanos, os sandinistas tomaram o poder em 1979.

Inspirado pelo triunfo, milhares de estrangeiros se juntaram a eles, viajando para a Nicarágua para aprender ou ajudar, alguns ficando por dias ou semanas, outros por anos ou mesmo décadas. A revolução acabaria sendo diferente do que imaginavam.

No poder e na guerra

Embora houvesse, por um breve período, um governo ostensivamente de coalizão, na verdade os sandinistas dominaram o país desde o primeiro dia da revolução, e seus parceiros de coalizão foram renunciada gradualmente. A revolução foi fundada no engano. Em uma reunião secreta de três dias pós-revolução, a direção Sandinista, o colegiado de direção, proclamou que o partido seria marxista-leninista, estabeleceria “a ditadura do proletariado” e se tornaria parte do campo comunista com a URSS, o Bloco Oriental e Cuba. Ortega e outros líderes do FSLN, no entanto, disseram ao povo nicaraguense e ao mundo que estabeleceriam um governo democrático, uma economia mista e uma política externa não-alinhada.

Despreocupados com a democracia ou a honestidade, mas profundamente comprometidos com a igualdade social, os sandinistas realizaram notáveis campanhas nacionais de alfabetização e saúde. A FSLN criou uma série de organizações de massa lideradas por grupos de trabalhadores, mulheres e jovens, através das quais ela podia mobilizar e restringir a população. E com a ajuda da União Soviética e Cuba, criou um novo estado, um exército e uma força policial. Enquanto isso, o presidente Ronald Reagan decidiu que destruiria a revolução.

O Departamento de Estado dos EUA e a Agência Central de Inteligência (CIA) assumiram a responsabilidade de organizar e armar antigos somozistas e novos oponentes em agrupamentos contra-revolucionários, os Contras. Mas os erros políticos da FSLN também contribuíram para o crescimento dos Contras. A recusa da FSLN de distribuir terras aos camponeses e seu tratamento pesado à população indígena na costa caribenha criou uma oposição rural em grande escala e levou ao que se tornou uma guerra civil genuína. Incapaz de confiar em um exército voluntário, os sandinistas se voltaram para o recrutamento militar obrigatório e perderam mais apoio, com alguns adversários se incorporando nos Contras.

Após uma década de guerra, embora não derrotada, a população estava exausta e desmoralizada. Daniel Ortega, que havia sido eleito presidente nas primeiras eleições pós-revolucionárias em 1985, foi desafiado em 1990 por Violeta Chamorro, viúva de um editor de jornais popular que havia sido assassinado por Somoza. Com uma ampla oposição dos comunistas à extrema direita, mas principalmente enfrentando a guerra com muita ajuda dos Estados Unidos, Chamorro ganhou e tornou-se presidente.

Daniel Ortega se volta para a política, a Igreja e os negócios

A coalizão de Chamorro desmoronou imediatamente após sua eleição, enquanto a Assembléia Nacional da Nicarágua foi dominada por seu adversário, o FSLN de Ortega. Antonio Lacayo, o poder por trás do trono de Chamorro, secretamente entrou em um relacionamento com Ortega, ainda chefe da FSLN, e seu irmão Humberto Ortega, e juntos os triunviros percorreram a Nicarágua. Ortega e o FSLN transferiram bens imóveis e outras riquezas do governo para si mesmos – a famosa piñata – para manter o que explicanos no começo. E começou a entrar em relações com as antigas figuras de Somoza e a antiga classe de proprietários. Ortega e sua namorada, Rosario, casaram-se na Igreja Católica e se proclamaram crentes.

O envolvimento complicado de Ortega em políticas corruptas e acordos de negócios desonestos, que discuti extensamente em outros lugares, é complicado demais para entrar aqui, mas basta dizer que, por meio de tais maquinações, ele continuou a ser um fazedor de reis e um rei destruidor de 1996 a 2006 sob os governos de Arnoldo Alemán e Enrique Bolaños. Durante esses anos, Ortega e Murillo assumiram o controle absoluto da FSLN e a transformaram em uma máquina política, liderada por velhos quadros sandinistas e ocupada por uma base pós-revolucionária, apolítica, mas disposta a trocar um voto por boné, uma camiseta, um bilhete e algumas refeições.

Hoje, Ortega controla não apenas a presidência, mas também a Assembléia Nacional e a Suprema Corte. Como um monarca – e como Donald Trump – ele concedeu grande poder a sua esposa e seus filhos.

Ortega teve muita “cobertura de esquerda”, quando ele se tornou um ditador completamente reacionário. Nas últimas duas décadas, Ortega pode ser encontrado em fotografias sorridentes com Fidel e Raúl Castro em Cuba, ou ao lado de Evo Morales, da Bolívia, ou Hugo Chávez, da Venezuela. ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa Améric), uma aliança financeira criada por Castro e Chávez, forneceu milhões de dólares à Nicarágua, dinheiro controlado pessoalmente por Ortega. O Foro de São Paulo, o congresso regular dos partidos políticos de esquerda da América Latina, que participei no verão de 2016, trata os sandinistas como se fossem um governo socialista. E nos Estados Unidos, a Aliança pela Justiça Global, que publica a NicaNotes, até agora tem sido pouco crítica do governo sandinista. É hora de a esquerda parar de fornecer cobertura para um ditador.

Ortega atribuiu os problemas de seu país a inimigos políticos não identificados. No momento, o governo cubano argumenta que a revolta na Nicarágua é uma tentativa de mudança de regime por parte da classe empresarial nicaraguense e do governo dos EUA.

Hoje, Ortega e seus amigos e familiares possuem uma variedade de negócios, controlam a maioria das estações de televisão do país e fazem acordos com a velha burguesia. Os trabalhadores nicaraguenses em maquiladoras ou na agricultura não têm sindicatos reais para defendê-los, e a resistência pode levar à demissão. Centenas de milhares de nicaraguenses tiveram que ir ao exterior para encontrar emprego em outras nações da América Latina e nos Estados Unidos. Durante anos, os intelectuais do país compararam Ortega aos Somozas. Agora as pessoas também estão fazendo isso.

Quando terminei meu livro What Went Wrong? em 2016, especulei sobre as perspectivas do movimento de oposição pequeno e assediado da Nicarágua. Eu previ que um dia surgiria uma nova oposição para desafiar o regime corrupto de Ortega. Eu não esperava que a oposição se levantasse com tanta força e rapidez quanto esta. Mas agora a Nicarágua notificou o ditador. Nada assusta mais um ditador do que este slogan: “Não temos medo”.

Fonte: http://newpol.org/content/are- we-eve-another-nicaraguan- revolution

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Esta é uma edição especial de nossa Revista Movimento. Como forma de contribuir para os debates que ocorrerão na VI Conferência Nacional de nossa corrente, o Movimento Esquerda Socialista, este volume reúne dois números da revista (7 e 8). Dessa forma, pretendemos oferecer à militância e a nossos aliados e leitores documentos que constam do temário oficial do evento, bem como materiais que possam subsidiar as discussões que se realizarão. Na expectativa de uma VI Conferência de debates proveitosos para nossa corrente, desejamos a todas e todos uma boa leitura deste volume!

Solzinho

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista