“Raúl Castro sai da presidência, mas não sai do poder”
O novo presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, ao lado do ex-presidente Raúl Castro na Assembleia Nacional em Havana - IRENE PEREZ AP

“Raúl Castro sai da presidência, mas não sai do poder”

Em entrevista à Radio USP, historiadora comenta as eleições que levaram Miguel Díaz-Canel à presidência de Cuba.

Joana Salem Vasconcelos 23 abr 2018, 12:48

Uma mudança histórica está para acontecer em Cuba: Raúl Castro, atual presidente da ilha, deixa o cargo nesta semana, acabando com a era dos irmãos Castro no poder. Seu provável sucessor é Miguel Díaz-Canel, um civil de 57 anos, integrante do Partido Comunista de Cuba. A professora Joana Salem Vasconcelos, historiadora especialista em América Latina, diz que, sob o aspecto geracional, essa será uma mudança importante, visto que as novas figuras políticas não viveram a experiência da revolução cubana; mas que, do ponto de vista político e programático, a eleição representa uma continuidade.

Seguindo os passos de Raúl Castro, Miguel Díaz-Canel deve aprofundar as reformas econômicas que ampliam a participação do setor privado na ilha, que hoje ocupa 12% da força de trabalho nacional, afirma Joana. Alguns analistas entendem que a medida pode pôr em risco o sistema socialista, outros dizem tratar-se de uma abertura de mercado de pequenas proporções e que a soberania estatal da economia está garantida. Castro e Díaz-Canel atestam o caráter irrevogável do socialismo cubano e acreditam ser possível organizar uma sociedade socialista com um setor privado minoritário.

A professora conta que, dentro da oposição em Cuba, há grupos de esquerda que pedem maior democratização política e ampliação do poder popular, e outros de direita, capitalistas e liberais, que desconsideram o processo eleitoral e optam por não participar das eleições. Segundo Joana, esses últimos se encontram bastante distantes da população, que legitima os processos organizados pelo governo cubano, como indica a alta participação popular nas eleições – 82% em 2017 –, num país onde o voto é facultativo.

Material produzido e originalmente vinculado pela Rádio USP.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.