Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

“Raúl Castro sai da presidência, mas não sai do poder”

Em entrevista à Radio USP, historiadora comenta as eleições que levaram Miguel Díaz-Canel à presidência de Cuba.

O novo presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, ao lado do ex-presidente Raúl Castro na Assembleia Nacional em Havana - IRENE PEREZ AP
O novo presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, ao lado do ex-presidente Raúl Castro na Assembleia Nacional em Havana - IRENE PEREZ AP

Uma mudança histórica está para acontecer em Cuba: Raúl Castro, atual presidente da ilha, deixa o cargo nesta semana, acabando com a era dos irmãos Castro no poder. Seu provável sucessor é Miguel Díaz-Canel, um civil de 57 anos, integrante do Partido Comunista de Cuba. A professora Joana Salem Vasconcelos, historiadora especialista em América Latina, diz que, sob o aspecto geracional, essa será uma mudança importante, visto que as novas figuras políticas não viveram a experiência da revolução cubana; mas que, do ponto de vista político e programático, a eleição representa uma continuidade.

Seguindo os passos de Raúl Castro, Miguel Díaz-Canel deve aprofundar as reformas econômicas que ampliam a participação do setor privado na ilha, que hoje ocupa 12% da força de trabalho nacional, afirma Joana. Alguns analistas entendem que a medida pode pôr em risco o sistema socialista, outros dizem tratar-se de uma abertura de mercado de pequenas proporções e que a soberania estatal da economia está garantida. Castro e Díaz-Canel atestam o caráter irrevogável do socialismo cubano e acreditam ser possível organizar uma sociedade socialista com um setor privado minoritário.

A professora conta que, dentro da oposição em Cuba, há grupos de esquerda que pedem maior democratização política e ampliação do poder popular, e outros de direita, capitalistas e liberais, que desconsideram o processo eleitoral e optam por não participar das eleições. Segundo Joana, esses últimos se encontram bastante distantes da população, que legitima os processos organizados pelo governo cubano, como indica a alta participação popular nas eleições – 82% em 2017 –, num país onde o voto é facultativo.

Material produzido e originalmente vinculado pela Rádio USP.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista