Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Caminhoneiros dobram o governo Temer e a mídia burguesa

Tivemos muito orgulho de estar do lado certo da história: junto com os caminhoneiros.

Reprodução
Reprodução

Agora sim. O governo foi dobrado pelos caminhoneiros. Meu prognóstico é que a situação se normaliza até quarta-feira. Depois do governo anunciar um acordo falso na quinta, 24 de maio, acordo que a categoria não discutiu nem muito menos aprovou (com a mídia tradicional e burguesa transmitindo que a greve tinha terminado), a greve seguiu, desmentindo o governo e a mídia. Hoje, domingo, tiveram que se render.

O governo e a mídia foram derrotados. Temer anunciou no horário do Fantástico da Rede Globo que atenderão boa parte das reivindicações mais imediatas dos caminhoneiros. Eles certamente vão esperar que o congresso demonstre na segunda e na terça que vão votar rápido e o anúncio das Medidas Provisórias para normalizar a situação. Mas esta é a tendência.

Muitos que estão na luta, apoiando os caminhoneiros, querem mais. Os caminhoneiros também. Mas não tenho dúvidas de que os caminhoneiros estão se sentindo fortes e vitoriosos. É uma conquista para todo o povo que esta categoria tenha feito o que fez.

Gostaria que se fosse além. Gostaria que Pedro Parente fosse demitido da presidência da Petrobrás. Gostaria que a política de preços fosse total e não apenas parcialmente derrotada. Gostaria do Fora Temer e de eleições antecipadas. Gostaria que se cobrasse tributos aos mais ricos, com cobrança de tributos sobre dividendos. Mas daí a luta teria que ser mais forte do que a ação dos caminhoneiros. Teria que ter greve geral e um plano alternativo. Mas as centrais sindicais tradicionais não se mexeram.

De nossa parte não vamos parar por aí. Vamos seguir construindo uma esquerda coerente, uma alternativa democrática, popular e anti capitalista no país. Como parte desse projeto tivemos muito orgulho de estar do lado certo da história: junto com os caminhoneiros.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista