MST ocupa latifúndio no Maranhão
Reprodução

MST ocupa latifúndio no Maranhão

O Acampamento recebeu o nome de Marielle Franco e o Movimento reivindica a área para a criação de assentamentos de Reforma Agrária.

Reynaldo Costa 11 jun 2018, 12:29

Cerca de 150 famílias de trabalhadores e trabalhadoras rurais organizadas no MST ocuparam na madrugada deste sábado (09), na cidade de Itinga, no Maranhão mais um latifúndio improdutivo. O Acampamento recebeu o nome de Marielle Franco e o Movimento reivindica a área para a criação de assentamentos de Reforma Agrária. A área que pertence à União está sendo grilada por uma Siderúrgica na região.

As famílias do Acampamento Marielle Franco vêm das periferias das cidades de Açailândia e Itinga, onde as dificuldades de emprego e a necessidade de terra para trabalhar levaram essas famílias à organização.

O MST no Maranhão já reivindica a área junto ao Incra, que informou que a área pertence a União Federal e tem uma extensão de cerca de 9 mil hectares, o que, segundo a coordenação do Movimento, daria para assentar cerca de 200 famílias.

Uma esperança em meio ao deserto verde

O Acampamento Marielle Franco surge como uma esperança, numa região de marcada pela monocultura do eucalipto e da soja. O Movimento reivindica o imediato assentamento destas famílias para que as mesmas já possam cumprir o seu papel de produzir comida para a população da região, além do papel na luta pela sobrevivência da produção familiar e da preservação da natureza.

Denúncia

Através da ocupação Marielle Franco, os Sem Terra chamam a atenção da sociedade e das autoridades para um possível uso irregular desta área pública pela empresa Viena Siderúrgica. A Empresa é dona de uma Siderúrgica que beneficia o minério de ferro extraído da Serra dos Carajás em Parauapebas, no Pará.

A Empresa tem várias propriedades na região com produção de eucaliptos para produção de carvão usados nos fornos das empresas de siderurgias em Açailândia.

Artigo originalmente publicado na página do MST.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.