Vitória da mobilização: apesar da repressão, municipários vencem primeiro round!
Reprodução

Vitória da mobilização: apesar da repressão, municipários vencem primeiro round!

A vitória dos municipários é a vitória de uma visão alternativa para Porto Alegre e para o estado do Rio Grande do Sul,

Executiva Estadual do PSOL/RS 14 jul 2018, 19:17

O PSOL RS repudia as ações ocorridas e manifesta solidariedade aos servidores municipais. A presidência da Câmara Municipal na última quarta-feira deu uma verdadeira demonstração de truculência, autoritarismo e subserviência ao prefeito Marchezan Jr. Na reunião de líderes que ocorreu na parte da manhã, o presidente da casa, Valter Nagelstein, aprovou a inversão de pauta, colocando na ordem do dia da sessão da tarde a votação dos projetos que tratavam da previdência e do regime de trabalho dos municipários.

Além de impedir a democracia e a participação dos trabalhadores durante a votação, a Brigada Militar foi posta dentro da Câmara para reprimir. Após muitas bombas de gás lacrimogêneo, a sessão foi encerrada. A categoria deu uma demonstração de combatividade diante do pacote que pode reduzir até 40% do salário dos servidores.

Na manhã seguinte, fruto da repercussão e da solidariedade com os manifestantes, a conjuntura começava a mudar. A proposta de uma sessão com portas fechadas foi interditada pela decisão judicial em caráter liminar concedida pelo juiz Sidnei Bruzuska. Tal decisão garantiu que o parlamento não funcionasse de forma secreta, abrindo a via para a maior pressão da categoria organizada e do povo em geral.

A deflagração da greve, na quinta-feira, foi fundamental para garantir a vitória contra o projeto que atacava as carreiras do funcionalismo público municipal. Após uma longa sessão, o resultado final foi considerado, uma “derrota acachapante” para o governo neoliberal de Marchezan Jr.

Na sexta-feira, com a votação dos projetos que tocavam o futuro regime de previdência complementar e o aumento da nova tabela do IPTU, o governo, ainda desbaratado pela derrota da noite anterior, retirou o quórum, jogando a decisão para a próxima segunda-feira.

É preciso seguir a mobilização, fortalecer a greve e construir a resistência em cada local de trabalho. O PSOL apoia a luta dos servidores e reforça o compromisso da sua bancada de lutar até o fim para derrotar o governo e seus projetos privatizantes, recessivos e de ataques à população e aos trabalhadores. Nos orgulhamos de nossa bancada- Fernanda Melchionna, Roberto Robaina e Professor Alex Fraga- protagonista junto ao conjunto de partidos e vereadores que se levantaram contra o autoritarismo de Marchezan Júnior e Valter Nagelstein.

A vitória dos municipários é a vitória de uma visão alternativa para Porto Alegre e para o estado do Rio Grande do Sul, longe do desmonte do serviço público que os direitistas que estão no poder querem impor. Existe luta e o primeiro round reforça a tendência à polarização para derrotar o projeto global da prefeitura tucana.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.