Milhares de pessoas manifestam-se nas ruas de Barcelona
Vanessa Junqué/Twitter.

Milhares de pessoas manifestam-se nas ruas de Barcelona

Manifestantes tomaram as ruas da capital no aniversário de um ano da Independência da Catalunha.

Esquerda.net 1 out 2018, 19:00

Milhares de pessoas sairam hoje à rua para participar na manifestação convocada pelo movimento Universitats per la República e sindicatos de estudantes, assinalando assim o primeiro aniversário do referendo à independência da Catalunha.

A manifestação partiu da reitoria da Universidade de Lérida e à sua frente surgia uma faixa que dizia “Ni oblit ni perdó” (não esqueço nem perdoo), tendo como destino a Subdelegação do Governo. Uma vez lá chegados, surgiram momentos de tensão quando os manifestantes derrubaram as grades do perímetro de segurança atrás do qual se encontravam Mossos d’Esquadra.

De acordo com a polícia, sairam hoje à rua para os protestos de estudantes cerca de 13 000 pessoas. Já os sindicatos de estudantes falam em 50 000 manifestantes.

Logo pela manhã, foram bloqueadas algumas autoestradas, linhas de caminho de ferro e várias artérias de Barcelona para assinalar o primeiro aniversário do referendo de autodeterminação.

“A linha de comboios de alta velocidade foi bloqueada em Girona, 100 quilómetros a nordeste de Barcelona”, podia ler-se no site da Renfe, a companhia espanhola de comboios.

A 1 de outubro de 2017, o Governo regional da Catalunha, à época liderado por Carles Puigdemont, organizou um referendo considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional espanhol – isto porque a constituição do Estado Espanhol só prevê consultas eleitorais à independência de regiões se estas tiverem lugar em todo o país. O processo de independência foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma. As eleições regionais tiveram lugar a 21 de dezembro último e voltaram a ser ganhas pelos partidos separatistas.

Desde então que se encontram detidos nove dirigentes independentistas que aguardam julgamento por delitos de rebelião, sedição e/ou peculato pelo seu envolvimento na tentativa de autodeterminação. Puigdemont, ex-presidente da Generalitat, continua exilado na Bélgica, depois de a Justiça do estado espanhol não ter conseguido a sua extradição da Alemanha, para ser julgado por crime de rebelião.

Artigo originalmente publicado pelo esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.