Milhares de pessoas manifestam-se nas ruas de Barcelona
Vanessa Junqué/Twitter.

Milhares de pessoas manifestam-se nas ruas de Barcelona

Manifestantes tomaram as ruas da capital no aniversário de um ano da Independência da Catalunha.

Esquerda.net 1 out 2018, 19:00

Milhares de pessoas sairam hoje à rua para participar na manifestação convocada pelo movimento Universitats per la República e sindicatos de estudantes, assinalando assim o primeiro aniversário do referendo à independência da Catalunha.

A manifestação partiu da reitoria da Universidade de Lérida e à sua frente surgia uma faixa que dizia “Ni oblit ni perdó” (não esqueço nem perdoo), tendo como destino a Subdelegação do Governo. Uma vez lá chegados, surgiram momentos de tensão quando os manifestantes derrubaram as grades do perímetro de segurança atrás do qual se encontravam Mossos d’Esquadra.

De acordo com a polícia, sairam hoje à rua para os protestos de estudantes cerca de 13 000 pessoas. Já os sindicatos de estudantes falam em 50 000 manifestantes.

Logo pela manhã, foram bloqueadas algumas autoestradas, linhas de caminho de ferro e várias artérias de Barcelona para assinalar o primeiro aniversário do referendo de autodeterminação.

“A linha de comboios de alta velocidade foi bloqueada em Girona, 100 quilómetros a nordeste de Barcelona”, podia ler-se no site da Renfe, a companhia espanhola de comboios.

A 1 de outubro de 2017, o Governo regional da Catalunha, à época liderado por Carles Puigdemont, organizou um referendo considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional espanhol – isto porque a constituição do Estado Espanhol só prevê consultas eleitorais à independência de regiões se estas tiverem lugar em todo o país. O processo de independência foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma. As eleições regionais tiveram lugar a 21 de dezembro último e voltaram a ser ganhas pelos partidos separatistas.

Desde então que se encontram detidos nove dirigentes independentistas que aguardam julgamento por delitos de rebelião, sedição e/ou peculato pelo seu envolvimento na tentativa de autodeterminação. Puigdemont, ex-presidente da Generalitat, continua exilado na Bélgica, depois de a Justiça do estado espanhol não ter conseguido a sua extradição da Alemanha, para ser julgado por crime de rebelião.

Artigo originalmente publicado pelo esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.