Não à fraude eleitoral de Bolsonaro!

Não à fraude eleitoral de Bolsonaro!

O PSOL exige investigação imediata e, a se comprovarem as denúncias, a impugnação da candidatura de Jair Bolsonaro.

Executiva Nacional do PSOL 19 out 2018, 13:50

A Executiva Nacional do PSOL manifesta sua preocupação e indignação com as graves revelações de reportagem do jornal Folha de S.Paulo publicada hoje, segundo a qual a campanha de Jair Bolsonaro tem recebido doações ilegais milionárias de empresas, que contratam agências de serviços digitais para espalhar materiais de apoio ao candidato do PSL e, sobretudo, notícias falsas e fraudulentas sobre o candidato adversário Fernando Haddad. Segundo a jornalista Patrícia Campos Mello, ao menos quatro agências – Quickmobile, Yacows, Croc Services e SMS Market – estariam sendo contratadas por empresas apoiadoras de Bolsonaro, recebendo até R$ 12 milhões em cada um dos vários contratos de disseminação de propaganda ilegal e notícias fraudulentas por whatsapp.

A eleição de 2018, desde o primeiro turno, já está marcada pela tentativa sistemática de fraudar a vontade popular por meio da difusão de materiais fraudulentos em redes sociais pela campanha de Bolsonaro. As revelações de hoje vão além: se se confirmam as denúncias, o candidato do PSL estaria recebendo milhões de reais em caixa 2, dinheiro ilegal não declarado e de fonte desconhecida, para disseminar calúnias e estimular a violência que se verifica nas ruas de todo o país. O candidato Fernando Haddad manifestou há poucas horas ter tomado conhecimento de áudios em que o próprio Jair Bolsonaro estimula e orienta a disseminação deste tipo de material de campanha ilegal.
Estamos diante da contaminação do processo eleitoral pelo poder econômico e por agentes espúrios, inclusive possivelmente estrangeiros, que buscam fraudar os resultados eleitorais e atacar a democracia brasileira. O PSOL exige investigação imediata e, a se comprovarem as denúncias, a impugnação da candidatura de Jair Bolsonaro.

Este também é um momento de mobilização. Por isso, a Executiva Nacional do PSOL orienta todos seus filiados e simpatizantes a ampliarem a mobilização na campanha contra Bolsonaro e por Haddad 13 para evitarmos, nas urnas e nas ruas, um resultado eleitoral que traria retrocessos de toda ordem ao Brasil. Nesse sentido, estimulamos nossa militância a fortalecer as manifestações do dia 20/10 contra a candidatura de Jair Bolsonaro. É hora de ação! Não ao caixa 2 de Bolsonaro! Ditadura nunca mais! Em defesa da democracia, vote Haddad 13!

Originalmente publicada no site do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.