O que falta na República?
Proclamação da República", 1893, Benedito Calixto

O que falta na República?

Sobre as insuficiências ainda presentes no modo de governo que substituiu a monarquia no Brasil há 129 anos.

Chico Alencar 14 nov 2018, 19:15

O Brasil substituiu a Monarquia pela República na noite de 15 de novembro de 1889. Não foi um movimento popular e sim uma articulação de alguns líderes do Exército, mas havia muitos descontentes com o Império, já em declínio. Essa falta de povo foi suprida em 1993, quando, em um plebiscito nacional, 44.266.608 brasileiro(a)s definiram que este seria o nosso sistema de governo (apenas 6.843.19, cerca de 10% dos que compareceram às urnas, votaram na Monarquia).

Esse ‘governo do povo, para o povo e pelo povo’, porém, ao longo da história brasileira, teve muitas faces: oligárquica e coronelista, na República Velha (até 1930), modernizadora e autoritária (na Era Vargas, até 1945), liberal-democrática (até 1964), ditatorial (do golpe de 1º de abril daquele ano até 1985) e esta etapa atual, que tem como marco jurídico mais importante a avançada e nem sempre cumprida Constituição Cidadã, promulgada em 1988.

Uma boa maneira de celebrar a Proclamação da República é lançar um olhar sobre as suas deficiências, trazendo questões que nos coloquem em movimento.

Na busca do melhor ideal de República, cabe perguntar: 1) como anda a participação popular na vida pública?; 2) como eliminar a influência do poder econômico nas eleições?; 3) qual o zelo para com o dinheiro público?; 4) existe igualdade de oportunidades para todos?; 5) a transparência na gestão é praticada?; 6) tem sido respeitada a diversidade de culturas, hábitos, etnias e orientações das pessoas?

A superação dessas insuficiências não é só tarefa das ‘autoridades’, mas desse que dá legitimidade ao regime: Sua Excelência, o Povo. A ele, com luta e consciência, cabe ‘republicanizar a República’.

Texto originalmente publicado em: http://odia.ig.com.br/ noticia/opiniao/2014-11-15/ chico-alencar-o-que-falta-n a-republica.html


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.