Migrantes cercados por gás lacrimogénio e ordens de expulsão
Pueblo Sin Fronteras

Migrantes cercados por gás lacrimogénio e ordens de expulsão

Vindos de diversas partes do continente latino-americano, trabalhadores são recebidos com violência nos EUA.

Esquerda.net 6 dez 2018, 12:27

A caravana de migrantes percorreu 4 mil quilómetros. Chegou a Tijuana no início do mês. Dizem fugir à perseguição, pobreza e violência nas Honduras, Guatemala e El Salvador. Este domingo um grupo tentou entrar nos EUA. Foram recebidos por gás lacrimogénio do lado dos Estados Unidos. Do lado mexicano, todos os que tenham participado na manifestação enfrentam agora ordem de expulsão, acusados de violência.

Entre o gás lacrimogéneo e a ameaça de expulsão, fica apenas uma longa espera pela quimera do asilo no país presidido por Trump, o presidente que jurou mantê-los afastados. Os campos temporários onde estão, dizem, estão a abarrotar.

“Não somos criminosos, somos trabalhadores!”

Will Grant, da BBC, narra como se formou a marcha pacífica e como cantavam: “Não somos criminosos, somos trabalhadores!” Conta também como, passado o córdão de segurança, se precipitaram para a fronteira e foram recebidos por gás lacrimogéneo. Relata na primeira pessoa a voz da sua esperança: “talvez Donald Trump nos possa dar uma oportunidade. Viemos aqui para trabalhar não para criar problemas ou cometer crimes”, diz um dos migrantes.

Há outras vozes que são já de desespero. À Reuteurs uma hondurenha confessava-se desesperada: “a minha menina está doente e eu nem sequer tenho dinheiro para leite.”

Trabalhadores, famílias com crianças pelo colo. milhares de pessoas estão acumuladas junto à fronteira. O site Pueblo sin Fronteras diz que é um movimento espontâneo: “quem organizou esta caravana foi a fome e a morte.” As autoridades mexicanas alegam não ter condições para lidar com a situação. E Trump responde-lhes com a ameaça de uso de “força letal”.

Artigo originalmente publicado em 26 de novembro no Esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.