Cais Mauá: por uma revitalização eficiente, transparente e democrática
Deputada Luciana Genro levou demandas de Kátia Suman e Jaqueline Custódio, da Amacais, ao líder do governo na Assembleia, deputado Frederico Antunes | Foto: Juliana Almeida

Cais Mauá: por uma revitalização eficiente, transparente e democrática

O consórcio que ganho a licitação para revitalizar a área está em dívida com o estado.

Luciana Genro 25 abr 2019, 12:01

A situação do Cais Mauá em Porto Alegre é preocupante. O consórcio Cais Mauá do Brasil S.A., que ganhou a licitação para revitalizar a área em 2011, está devendo R$ 6 milhões ao governo do Estado pelo arrendamento do local. Ainda não foi realizada nenhuma obra, a empresa deu calote até mesmo em prestadores de serviço de segurança patrimonial e de confecção de sacolas de pano.

O projeto original nem existe mais, e não se sabe o que de fato será feito na área. Também não se sabe qual a situação dos R$ 40 milhões que foram aplicados no Consórcio, oriundos de fundos de pensão como IPE e Canoas Prev.

A deputada estadual Luciana Genro, do PSOL, conversou na terça-feira (17/04) com a Kátia Suman e a Jaqueline Custódio, da Amacais, que relataram estes e muitos outros absurdos cometidos pelo consórcio. O governador Eduardo Leite já tem em suas mãos um estudo elaborado pela área técnica do governo recomendando a rescisão do contrato e uma nova licitação.

O líder do governo na Assembleia, deputado Frederico Antunes, se comprometeu em agendar uma reunião do governador com a Associação Amigos do Cais do Porto para que a sociedade civil possa ser ouvida e desta forma encontrar um caminho para que esta área possa ser revitalizada de forma eficiente, transparente e democrática.

Artigo originalmente publicado no site da autora.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.