Doria quer fechar museus, bibliotecas e centros culturais
Reprodução.

Doria quer fechar museus, bibliotecas e centros culturais

Após pressão, governador diz que mantém o Projeto Guri, mas fará cortes em outros programas da culturais.

Equipe Sâmia Bomfim 9 abr 2019, 17:22

Doria não está nem aí para a Cultura. Ele quis cortar verba do Projeto Guri, que atende mais de 64 mil crianças e jovens em todo o estado – mas recuou depois de muita pressão da sociedade e dos ativistas culturais.

Só que Doria já declarou que Cultura não é uma prioridade em seu governo e anunciou que vai tirar verba de outros projetos. A Associação Brasileira das Organizações Sociais da Cultura divulgou, em nota, que está preocupada com o contingenciamento de R$ 148,5 milhões do orçamento destinado à Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Para se ter uma ideia da desproporção, o contingenciamento geral de recursos previsto pelo tesouro estadual é de 3,54%. Só que só todos os cortes previstos para a Cultura respondem por 2,83% desse total. Ou seja, o corte é absurdamente desigual. Isso afetará equipamentos culturais como as Fábricas de Cultura, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), o Museu da Imagem e do Som, o Museu Afro Brasil e muitos outros.

Se isso acontecer, milhares de alunos beneficiados pelas atividades educativas destas e de outras instituições deixarão de ser assistidos, centenas de funcionários serão demitidos, entre professores, arte-educadores, bailarinos, músicos, cantores, produtores e equipes técnicas, afetando duramente a geração de empregos e a cadeia produtiva da chamada indústria criativa.

Doria gosta de ir ao jornais e fazer propaganda para falar que considera a economia criativa importante para o estado. Até mudar o nome da Secretaria ele mudou. Só que, mais uma vez, isso não passa de estratégia de marketing, blá blá blá de gente que vive de aparência. Na prática, Doria não está nem aí para a cultura, para o estado de São Paulo, para os trabalhadores culturais e para a população carente da periferia, que tem pouca opção de educação, lazer e cultura perto de casa.

Precisamos unir forças e impedir esse retrocesso em nosso estado. Se conseguimos barrar os cortes no Projeto Guri, podemos impedir esse absurdo.

Artigo originalmente publicado no site de Sâmia Bomfim.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.