Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Lava Jato cobra sua primeira vítima mortal no Peru

Ex-presidente peruano cometeu suicídio.

Reprodução
Reprodução

Vítima de si mesmo, o ex-presidente Alan García Pérez se tirou a vida de um balaço na cabeça. Justamente o contrário do que sustenta a imprensa nacional e a direita neoliberal no país, García Pérez nem é um mártir da democracia nem seu gesto último pode ser identificado como um ato de honra. 

Quando as evidências entristecedoras apontavam contra ele como “patrão do mal” em uma horripilante meada de corrupção que comprometia a seus mais próximos colaboradores, García optou pela fuga novamente, esta vez, sem ingresso de retorno. Antes o tinha tentado solicitando asilo na embaixada do Uruguai logo depois de tocar as portas da Costa Rica e Colômbia.

O áspero intento por desbaratar os processos judiciais anticorrupção dos que chiam contra os fiscais que cumprindo seu dever vão fechando o círculo da mega corrupção, não pode passar. Não devemos deixar que se imponha a IMPUNIDADE ante graves delitos que abrangem a quase toda a classe política tradicional. Dois ex-presidentes presos (Fujimori e PPK), a gente fugido (Toledo), outro processado (Humala) e o quinto morto por mão própria, põem ao Peru ante os olhos do mundo como um país inviável, infestado de autoridades corruptas que coludidas com as grandes multinacionais não duvidam em roubar à mãos enche via comissione que permitem às grandes corporações estrangeiras e nacionais hipotecar os interesses do país ainda sabendo que com isso estão fechando as portas ao desenvolvimento.

Possivelmente García Pérez pôde ir antes ao cárcere se não se amparou na prescrição dos delitos em seu primeiro governo. Todos os processos por crímenes de lesa humanidade ficaram truncos. A massacre das penitenciárias, Cayara, Accomarca, Bagua e muitos mais ficarão por sempre associados a seu nome. Faenones como o trem elétrico, os dólares MUC, os Mirage, os petroaudios, os narcoindultos serão matéria de estudo por várias gerações para mostrar como comprava e vendia o poder judicial em todos esses anos em que o Apra gozava de boa saúde.

Ainda agora, que a dor embarga à família cabe perguntar-se o que será da fortuna mau havida à sombra do poder, porque de uma coisa estamos seguros, a dança de milhões que provadamente foram parar a seus colaboradores mais próximos, dificilmente será recuperada.

Com o Alan García Pérez se fecha um capítulo da história, sua esteira está muito longe dos anos primitivos do Apra quando se propunham enfrentar ao imperialismo, nacionalizar terras e indústrias, unir a América Latina. Pelo contrário a Aliança do Pacífico que se formou sob seu governo foi usada para dividir a nossos países e facilitar os planos imperialistas de USA.
Se tivermos chegado a este ponto onde os corruptos estão todos fazendo fila ante os tribunais é porque há um povo que não deixou de tomar em suas mãos a luta contra a corrupção. Esta é a maior garantia e possivelmente a única de que se vá até o final. 

Os fiscais tem que seguir fazendo seu trabalho e a justiça tem que chegar a todos os que se emprestaram para esses negociados sob a mesa que favoreceram sempre às multinacionais. Lhe chama modelo neoliberal, a mãe do cordeiro neste festim de empresários coludidos com o Estado para fazer do bota de cano longo chamado o Peru. Basta já!!

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.

Ilustração da capa da Revista Movimento

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista