Iniciada auditoria do contrato de concessão da Arena das Dunas
Foto: Guilherme Prado

Iniciada auditoria do contrato de concessão da Arena das Dunas

Grupo de Trabalho foi com o deputado Sandro Pimentel.

Mariana Reis 21 Maio 2019, 14:49

O deputado estadual Sandro Pimentel (PSOL), o Controlador-Geral do RN Pedro Lopes e a Auditora-Geral Débora Cristiane Barreto de Souza estiveram reunidos nessa sexta-feira (17), na sede da Controladoria Geral do Estado (CONTROL), para a instalação de auditoria do contrato de concessão da Arena das Dunas. Esse primeiro encontro serviu para afinar alguns detalhes de como o processo acontecerá e também para que a CONTROL apresentasse suas primeiras impressões, mesmo que ainda superficiais, sobre os documentos. 

Um Grupo de Trabalho (GT) foi formado e será o responsável pela condução dos trabalhos da Auditoria. Até semana que vem, o Poder Executivo publicará uma portaria para oficializá-lo. Participarão desse GT representantes da CONTROL, do mandato de Sandro Pimentel – requerente da Auditoria e que representará a Assembleia Legislativa do RN – e um convite também será feito para que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) se incorpore aos trabalhos. 

Alguns dos pontos já ressaltados pelo Controlador-Geral como passíveis de averiguação dizem respeito aos pagamentos feitos a empresa OAS Arenas, responsável pela administração do estádio. Atualmente, o valor mensal pago pelo governo do estado é composto por uma parcela fixa de 85% e uma variável de 15%, mas não há clareza sobre a base de cálculo utilizada para essa segunda porcentagem.

Além do mais, existe um dispositivo no contrato que prevê a partilha do lucro obtido com a realização de eventos. Porém, cabe a Arena das Dunas informar quanto seria esse lucro e esses valores deveriam ser descontados do total pago pelo estado. Contudo, nos últimos dois anos, não foi verificada nenhuma alteração nos pagamentos mensais e o governo não soube precisar quanto já foi “devolvido” ao estado como fruto da concessão compartilhada entre a inciativa privada e o poder público.   

A previsão é de que os trabalhos sejam concluídos em 90 dias, com possibilidade de ampliação do prazo caso os membros do GT julguem necessário. A próxima reunião, que marcará o início efetivo do processo de Auditoria, está marcada para a próxima quinta-feira (23).​


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.