PSOL apoia a luta internacional dos trabalhadores do Uber e de outros aplicativos
Reprodução

PSOL apoia a luta internacional dos trabalhadores do Uber e de outros aplicativos

A Secretaria de Relações Internacionais do PSOL se solidariza com os trabalhadores de aplicativos de todo mundo.

Hoje acontece em diversos países ao redor do mundo a greve internacional de trabalhadores e trabalhadoras da Uber e de outros aplicativos de transporte de passageiros. Marcada no mesmo dia em que a Uber realiza sua oferta pública de ações na Bolsa de Valores de Nova York, esta greve internacional representa um importante movimento desta categoria com relações trabalhistas tão precarizadas.

A enorme valorização das empresas de aplicativos de transporte de passageiros ocorreu sem a devida valorização do trabalho daqueles que constroem está riqueza. Enquanto estas empresas lucram, os motoristas recebem cada vez menos e incorporam diversos custos crescentes em sua atividade, como impostos e o preço dos combustíveis, sem receber uma remuneração adequada.

Além disso, estes trabalhadores e trabalhadoras estão suscetíveis a todo tipo de problema de segurança e de saúde diretamente relacionados com sua função, mas não possuem qualquer garantia trabalhista da parte das empresas. A extrema precarização, reflexo da enorme oferta de mão de obra gerada pelo desemprego, leva pais e mães de família a submissão perante estas empresas sem qualquer tipo de garantia.

A Secretaria de Relações Internacionais do PSOL se solidariza com os trabalhadores de aplicativos de todo mundo e se compromete a atuar em defesa desta categoria através de seus militantes e parlamentares. Nossos mandatos e instâncias estão à disposição desta luta. Força aos motoristas de aplicativos, estamos juntos!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.