Ideias interditas sobre o FMI
Reprodução

Ideias interditas sobre o FMI

Os rumos do Fundo Monetário Internacional.

Francisco Louçã 6 ago 2019, 15:13

Não sei se nos devamos espantar, pois é uma repetição já enfadonha, ou antes reconhecer a nostalgia e o acarinhamento com o que é nacional e que, como um cuco de relógio, perpassa pelo espaço público sempre que há uma personalidade portuguesa candidata a um lugar de relevo na cena mundial. Esta síndrome de Ronaldo persegue-nos e cria uma espécie de pensamento mágico que, à escala de um país que se sabe de influência reduzida, projeta desígnios, mitos e saudades, que vão, nos nossos dias, da alegada influência europeia dos dirigentes, que teriam captado o ouvido dos poderosos, quais grilos falantes, até ao sucesso no futebol, tantas vezes feito de arremedos à Éder. Esta psicose simbólica foi o tema que se cruzou frequentemente com a análise de Eduardo Lourenço, como é costume ser notado.

Pois é disso que somos servidos nesta questão de Centeno a diretor do FMI. A hipótese, inicialmente tratada como anedótica, passou depois a ser considerada consistente à força de ser repetida. Entrou então na dimensão dos editoriais, quando alguém notou que o trajeto da candidatura ao Eurogrupo foi mesmo assim, primeiro irrelevante, depois triunfante, e, do mal o menos, para um diretor de jornal mais vale repetir um nacionalismo congratulatório de que toda a gente se esquecerá no dia seguinte a uma eventual rejeição, mas que será elogiado como premonitório se houver uma consagração. Por isso, no totoloto das hipóteses, a melhor chance de sucesso editorial, mesmo na derrota, é jogar a cartada centenista. O que é nacional é bom, já se sabe, como nas farinhas (é bom para o país, assim será dito, mas menos bom para Costa, que veria fugir um trunfo eleitoral, e mesmo para Centeno, que poderia arriscar uma carreira apagada ou passar a ver o seu nome convocado em manifestações de rua de Buenos Aires a Luanda, mas que importa isso agora que chegou o calor?).

Não me atrevendo a destoar desta epifania de verão, sugiro-lhe apesar disso dois pensamentos dissonantes.

O primeiro é banal. A ordem de Bretton Woods consagra, desde 1944, essa regra não-escrita de que os EUA indicam o chefe do Banco Mundial e os europeus o do FMI, em que em todo o caso a Casa Branca é o maior acionista. Dos pilares desse velho acordo já sobra pouco, mas a regra sobreviveu sempre. Assim, quando em 2007 Rodrigo Rato abandonou o cargo no FMI para se dedicar aos confortos de uma presidência do Bankia (isso viria depois a levá-lo à prisão, onde ainda cumpre pena), veio o socialista francês Dominique Strauss-Kahn, que se demitiria devido a acusações de abusos sexuais, e logo depois Christine Lagarde, ministra de Sarkozy. Com a sua saída, é ainda um ministro francês quem coordena a escolha do próximo indigitado, sabendo-se de quatro candidatos: dois dos cruzados da austeridade, o conservador Olli Rehn, governador do banco central da Finlândia, que foi o comissário da Economia da Comissão Barroso, entre 2010 a 2014, e o socialista Jeroen Dijsselbloem, ex-ministro das Finanças da Holanda e presidente do Eurogrupo entre 2013 a 2018, a que se somam os dois novatos, Nadia Calviño, uma funcionária de topo na União Europeia feita ministra da Economia de Espanha há uns meses, e Mário Centeno, mais experiente e com um resultado português que impressiona o olho europeu, mas (inevitavelmente) fracassado numa pálida presidência do Eurogrupo. Para os problemas da dimensão do FMI, são todos candidatos frágeis e que começariam com pouco apoio.

Ora, o que parece estar sempre fora de cogitação (até um dia?) é que seja indicado alguém do mundo e não da Europa. Adam Tooze, um crítico da ordem e desordem global, lembrou dois nomes possíveis, ambos conservadores: o mais destacado seria Raghuram Rajan, que foi economista-chefe do FMI (e ficou conhecido por criticar a desregulação financeira ainda antes da crise do subprime em 2007 e 2008), foi depois governador do banco central da Índia, não foi reconduzido por Modi e regressou à sua Universidade de Chicago, onde prossegue a carreira de ordoliberal tradicional; e o antigo primeiro-ministro de Singapura, Tharman Shanmugaratnam, que foi o primeiro asiático a dirigir uma das mais poderosas estruturas do FMI, o International Monetary and Financial Committee. São ortodoxos, não mudariam o cânone, mas deslocariam o centro de gravidade de uma convenção que é uma velharia para o mundo como ele é, com as suas atuais elites dominantes. Para já, isso dificilmente acontecerá.

O segundo pensamento dissonante é que o FMI devia ser desmantelado para dar lugar a algo mais parecido com o que foi rejeitado em 1944. Nesse tempo, Keynes propunha que o Banco Mundial fosse um banco e o FMI tratasse dos equilíbrios internacionais, criando compensações entre economias deficitárias e superavitária, em vez de as acentuar. Há vários caminhos nesse sentido. O pequeno passo mais simples seria que os direitos de voto coincidissem com o peso efetivo das economias, para ajudar a modificar a resposta de catálogo num qualquer programa de ajustamento. Ora, hoje a União Europeia a 27, sem o Reino Unido, tem 25,6% dos votos (a Alemanha tem 5,3% e a França tem 4%), os EUA têm 16.5%, a China 6% e a Índia 2,6%. Se se considerasse a verdade das economias, segundo Tooze, a UE deveria ter 23,3%, a China 12,9% e os EUA apenas 14.7%. Só que a Casa Branca ficaria com menos do que os 15% que dão direito de veto a decisões do conselho de administração. Portanto, não vai acontecer. O outro caminho, certamente mais consistente, seria definir uma abordagem anticíclica: quando há uma recessão, o FMI não jogaria a cartada do terminator, procuraria antes atenuar a crise, responder à recessão e promover a recuperação do emprego, da procura agregada e do investimento. Mas isso parece ainda mais difícil. Ora, na falta desta viragem, o FMI continuará a ser o que é, uma organização perigosa para o mundo.

Então a pergunta que sobra é: por que carga de água é que alguém há-de querer ser o chefe de uma organização tão incapaz e tão agressiva?

Artigo originalmente publicado em Expresso.pt a 23 de julho de 2019. Reprodução da versão disponibilizada pelo Esquerda.net.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.