Coordenadora dos povod indígenas Panamempha se solidariza com povo equatoriano
coonapip

Coordenadora dos povod indígenas Panamempha se solidariza com povo equatoriano

Organização dos povos indígenas do Panamá presta solidariedade ao povo equatoriano.

A Segundoadora Nacional dos Povos Indígenas do Panamá-COONAPIP, órgão representativo de todos os povos e territórios indígenas do Panamá, expressa sua total solidariedade aos povos indígenas e à nação irmã do Equador, em face da grave crise econômica, política e social que o país vive nestes momentos.

A crise que está afetando severamente a paz social do Equador afeta muito os povos indígenas equatorianos, cujos líderes e dirigentes assumiram de maneira responsável e histórica uma luta contra as medidas econômicas adotadas pelo governo do Presidente Lenin Moreno, claramente imposta por organismos internacionais que o povo equatoriano rejeita esmagadoramente porque vão contra os interesses e os valores dessa nobre nação sul-americana.

Marcelo Guerra, Presidente da COONAPIP, sustentou a necessidade de pedir à comunidade internacional e às organizações de direitos humanos que olhem atentamente para a situação dos irmãos do Equador e ajudem a levantar suas vozes para deter o confronto que hoje continua acumulando feridos, mortos e grande número de danos materiais, com consequências imprevisíveis para o futuro e a democracia deste país.

“Lamentamos os ataques violentos, a violação dos direitos humanos e a repressão injusta contra os irmãos indígenas equatorianos que estão apenas defendendo seus direitos e a estabilidade econômica e democrática de seu país, hoje comprometida pelas medidas impopulares do presidente Lenín Moreno, conhecidas como “o Paquetazo”, disse Marcelo Guerra.

Segundo o líder indígena do Panamá, a COONAPIP permanece vigilante sobre a grave crise no Equador e reitera a necessidade de a comunidade internacional se solidarizar com os povos indígenas e cessar a repressão e as mortes que atingem esta grande nação.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.