30 anos da queda do muro de Berlim

A força das aspirações por liberdade e a ausência de um projeto igualitário.

Roberto Robaina 9 nov 2019, 20:00

Há 30 anos, o muro de Berlim caiu. Mesmo que reivindicando a luta comunista, estive entre os que comemoraram sua queda. Assisti com alegria às centenas de milhares de alemães que se mobilizaram até desmoronar os regimes burocráticos da Alemanha e de todo o leste europeu.

Na Romênia, algumas semanas depois da queda do muro, em dezembro, a insurreição popular chegou a decapitar o chefe da ditadura burocrática, Nicolae Ceausescu. Os regimes que caíram falavam em nome do socialismo, mas representavam sua negação contrarrevolucionária. Foram resultado da guerra contra o nazismo, mas também produtos da contrarrevolução stalinista que liquidou a experiencia revolucionária soviética nos anos 30 do século XX.

O filme Das Leben der Anderen (A Vida dos Outros) revela bem o regime do medo, da opressão e da violência contra o qual se insurgiram os alemães.

O resultado foi positivo? A reunificação foi liderada pelos capitalistas, diante da ausência de uma alternativa autenticamente democrática e socialista. Assim, não poderia primar pela igualdade. Ao contrário. A desigualdade entre o lado oriental e o ocidental é uma marca da situação atual. Mais do que uma reunificação, o que ocorreu acabou sendo uma colonização da Alemanha Oriental.

A ausência de uma ideia comunista anti burocrática custou caro. Essa ausência segue um desafio decisivo dos nossos dias. Uma ausência dramática. Quando olhamos os insistentes e corajosos jovens de Hong Kong nas ruas enfrentando a repressão comandada por Pequim, ou seja, por aqueles que se intitulam Partido Comunista, vemos como ainda a construção de um projeto comunista que combine a defesa da igualdade e da liberdade é uma necessidade mundial.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!