Ruralistas tentam agredir Juma Xipaya e Raoni Kaiapó em Altamira-Pará
Foto: Mídia Ninja

Ruralistas tentam agredir Juma Xipaya e Raoni Kaiapó em Altamira-Pará

Grupo de ruralistas invade o Seminário “Amazônia: Centro do Mundo”, na cidade de Altamira/PA, e ameaça lideranças indígenas.

Heloise Rocha 19 nov 2019, 19:46

Na manhã do dia 18 de novembro, teve início o Seminário “Amazônia: Centro do Mundo”, na cidade de Altamira/PA, tendo como objetivo discutir e buscar formas de proteção da floresta e pensar coletivamente formas de desenvolvimento sustentável para os povos da Amazônia. 

Na plenária estavam presentes ativistas de movimentos sociais em defesa da floresta, pesquisadores, ambientalistas e indígenas de diversas etnias (kaiapo, juruna, xikrins, xipayas, yanomamis, entre outros). As mulheres eram maioria no evento. 

De maneira lamentável, o evento foi invadido por ruralistas e representantes do agronegócio, alguns deles armados, acompanhados do “antropólogo dos ruralistas” Edward Luz, figura já conhecida e bastante repudiada por suas teses racistas que negam, com argumentos pseudocientíficos, os direitos originários dos povos indígenas, a exemplo do que ele tem feito na região do Baixo Tapajós, no Pará. 

O grupo de ruralistas invadiu de forma truculenta o evento a fim de tumultuar e tentaram agredir de forma covarde uma mulher indígena, grande liderança do Povo Xipaya, JUMA XIPAYA, e nosso grande líder dos povos indígenas do Brasil RAONI METUKTIRE KAIAPO. 

Esse grave atentado deve ser denunciado amplamente e repudiado pois fere a liberdade de organização democrática dos indígenas e movimentos sociais em defesa da floresta. 

Infelizmente os casos de agressões aos povos da floresta está virando algo recorrente, pois os assassinos da floresta se sentem respaldados pelo governo racista e fascista de Bolsonaro que faz discurso de ódio contra os povos originários. Mas não nos calaremos diante as ameaças do ruralistas e defensores do agronegócio. Vamos denunciar e seguir lutando em defesa da vida.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.