Justiça acata ação da deputada Luciana Genro e determina retirada do PLC 503 da ordem do dia
Reprodução

Justiça acata ação da deputada Luciana Genro e determina retirada do PLC 503 da ordem do dia

Ação de Luciana Genro suspende tramitação de projeto de cobrança previdenciária dos servidores gaúchos.

Equipe Luciana Genro 17 dez 2019, 15:56

O Tribunal de Justiça acatou o pedido de liminar feito pela deputada Luciana Genro (PSOL) e determinou que o PLC 503/2019 não seja votado nesta terça-feira (17/12). A decisão do desembargador Rui Portanova acolheu o argumento apresentado por Luciana, que afirma que o projeto de lei complementar é inconstitucional e não pode ser apreciado antes da PEC 285/2019.

“O governo induz a Assembleia a votar um projeto inconstitucional e sabe disso, tanto é que apresentou uma PEC para acomodar na Constituição Estadual as mudanças que pretende fazer. Por isso não podemos apreciar estes projetos antes de votar a PEC, e esta decisão da Justiça comprova a validade do nosso argumento. Foi uma vitória, mas a mobilização dos servidores precisa seguir forte para barrar todo o pacote”, disse a deputada.

O PLC 503/2019 dispõe sobre a cobrança de uma alíquota previdenciária para servidores públicos civis aposentados. A medida estava na ordem do dia da Assembleia Legislativa nesta terça. Pelo acordo da maioria dos líderes, seria o único projeto do pacote do governo Leite a ser votado neste ano. O PSOL não deu acordo para a votação da proposta.

A ação protocolada por Luciana Genro solicitou também a retirada da tramitação do 505/2019, que altera o estatuto dos servidores públicos civis. Ambos não poderão mais ser apreciados nesta terça.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.