PSOL começa construção do programa de governo da pré-candidatura de Fernanda Melchionna para prefeitura de POA

PSOL começa construção do programa de governo da pré-candidatura de Fernanda Melchionna para prefeitura de POA

Plenária do PSOL deliberou o começo da construção do programa de governo para a candidatura de Fernanda Melchionna para a prefeitura de Porto Alegre.

Equipe Fernanda Melchionna 6 dez 2019, 17:38

Uma expressiva plenária do PSOL de Porto Alegre neste sábado (30) deliberou pelo começo da construção do programa de governo para a candidatura da deputada federal Fernanda Melchionna para a prefeitura de Porto Alegre. A sigla, que insiste na unidade com partidos de esquerda a partir da realização de prévias, até o momento não recebeu retorno das siglas sondadas, PT e PC do B. Nas falas, diversos líderes partidários e militantes de diferentes correntes reivindicaram que o partido assuma a elaboração imediata do programa de governo para a candidatura de Melchionna. “Nós estamos em um processo de construção e afirmação do nosso partido, e as eleições municipais são parte fundamental”, frisou a deputada estadual Luciana Genro.

Para a deputada Fernanda Melchionna, ainda há espaço para insistir na unidade, mas reforçou que o PSOL não pode simplesmente aderir à composição PT- PC do B. “Fizemos todos esforços pela unidade, mas não aceitamos mero adesismo. No último período fomos oposição a estes partidos, logo precisamos que a unidade seja construída, não imposta”.

Representantes de servidores públicos estaduais e municipários endossaram a linha de insistir nas prévias, mas já armar a militância e o programa de governo para a candidatura própria do PSOL “ela é o nome dos municipários para a prefeitura”, disse João Ezequiel, do Simpa.

Nas próximas semanas será criado o grupo de trabalho para começar a discussão e montagem do programa de governo da candidatura do PSOL.

O presidente do PSOL de Porto Alegre, vereador Roberto Robaina assegurou que o partido ainda não desistiu das prévias, mas precisa trilhar seu caminho. “Fazia tempo que não tínhamos tanta unidade no partido. Temos agora que desdobrar essa energia em iniciativa política”, concluiu. 

Artigo originalmente publicado no site da deputada Fernanda Melchionna.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.