Seattle: 20 anos da “batalha” que mobilizou a alterglobalização
Steve Kaiser/Flickr

Seattle: 20 anos da “batalha” que mobilizou a alterglobalização

Em 30 de novembro de 1999, cidade nos EUA viu rebelião que marcaria contemporaneidade.

Esquerda.net 6 dez 2019, 17:34

A “batalha de Seattle” surpreendeu o mundo. Mas o dia 30 de novembro de 1999 não surgiu do nada. Foi o resultado de meses de trabalho de uma ampla rede de organizações: sindicatos, Organizações Não Governamentais, ecologistas, estudantis etc.

Unia-os a rejeição pelo mundo neoliberalizado que a Organização Mundial do Comércio representava. E a preocupação com a desregulamentação do “livre comércio”, essa globalização que atacava direitos sociais sob a batuta dos interesses das multinacionais, que beneficiava os mesmos de sempre em detrimento de muitos povos, que reduzia o poder de decisão dos cidadãos.

E separava-os desde logo o que deveria ser o próprio protesto. Se quem fez as manchetes foi a agressividade dos Black Bloc, os manifestantes vestidos de negro que destruíam propriedade das grandes empresas e que defrontavam diretamente a polícia, a esmagadora maioria dos manifestante resistia sem recorrer a violência. A Direct Action Network centrou os esforços na tentativa de impedir que a cimeira acontecesse através de bloqueios de estradas, enquanto outros pretendiam que o protesto tivesse a forma mais tradicional do desfile. Não houve assim um evento único mas vários. Em festa, cantando slogans, sentando-se em silêncio, de muitas formas.

O bloqueio funcionou, parando a cidade. E a repressão não se fez esperar. Houve gás lacrimogéneo, balas de borracha entre outros dispositivos na tentativa de dispersar a multidão de manifestantes pacíficos que se concentrava em diferentes pontos da cidade. Houve cerca de 600 presos. E foi imposto o recolher obrigatório.

Os protestos duraram cinco dias. A reunião do organismo, ela própria, não ficou para a história. Adiada e reagendada várias vezes, acossada pela força do protesto e pelo simbolismo de apenas se realizar devido à criação de uma zona militarizada à sua volta e depois de atos de repressão, colapsou e dela não resultou qualquer acordo.

O protesto ficou. Seattle detonou todo um movimento. Justa ou injustamente ficou conhecido como um início. Dois anos depois seria a vez de 300 mil manifestantes saírem às ruas em Génova para confrontar o G8. A polícia italiana lançou gás lacrimogéneo e matou um manifestante, Carlo Guiliani.

No mesmo ano, noutras paragens, outro momento do mesmo movimento: em Porto Alegre, no Brasil, aconteceu o primeiro Fórum Social Mundial que procurava juntar as organizações que acreditavam que “outro mundo é possível”.

A mesma onda de contestação ainda durava quando houve a invasão norte-americana do Iraque gerando manifestações massivas por todo o mundo. E durante anos, a “alterglobalização” como alguns lhe chamavam, o movimento de “justiça global” como outros preferiam, ou a “antiglobalização” como era maioritariamente referida nos meios de comunicação social, foi um contraponto social com o qual os poderes políticos e económicos tiveram de lidar.

Artigo originalmente publicado no esquerda.net.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.