Contra o plano de Trump/Netanyahu para a Palestina!
Reprodução

Contra o plano de Trump/Netanyahu para a Palestina!

O recente plano apresentado por Donald Trump é a mais recente demonstração de arbitrariedade do imperialismo estadunidense perante o povo palestino.

Portal da Esquerda em Movimento 11 fev 2020, 12:45

O recente plano apresentado por Donald Trump como resposta para o conflito palestino é a mais recente demonstração de arbitrariedade do imperialismo estadunidense perante o povo palestino. Em total consonância com o primeiro-ministro israelense Benyamin Netanyahu, que recentemente foi indiciado por corrupção, o chamado “Plano de Paz para o Oriente Médio” é parte da agenda sionista do imperialismo contra os direitos da população palestina, visando aprofundar o regime de apartheid atualmente instalado no território da Palestina.

O “pacto do século”, como foi anunciado, foi supostamente formulado por Jared Kushner, genro de Trump, o plano é na verdade a materialização das posições extremistas da direita sionista que busca anexar os territórios ocupados ilegalmente na Cisjordânia e retalhar o território controlado pela Autoridade Palestina na região. Sem nenhuma participação de palestinos em sua construção, o pacto foi referendado por estados-títeres dos EUA no mundo árabe, como Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Omã, representando mais uma odiosa tentativa de submissão dos palestinos e palestinas ao Estado de Israel, um enclave militar sionista pró-ocidente que viola inúmeras leis internacionais com a ocupação e expansão de assentamentos para além dos territórios que controla legalmente.

O plano de Trump mantém sua política de defesa de Jerusalém como capital indivisível do Estado de Israel e determina a anexação do vale do Rio Jordão ao país, defendendo claramente a ampliação do território controlado pelos sionistas sobre a Cisjordânia e a manutenção das colônias mantidos por Israel em território reconhecidamente palestino inclusive pelas leis internacionais. Desta forma, além de desestruturar ainda mais os territórios densamente povoados ocupados pelos palestinos, o plano abre espaço para o aprofundamento da exploração da mão-de-obra palestina a partir da permanência de assentamentos judaicos militarizados e notáveis pelo racismo contra a população árabe.

Este movimento, que acirra a violência na região e exige uma resposta da militância anti-imperialista, joga por terra inclusive a inviável “solução dos dois estados” defendida pelo imperialismo desde os Acordos de Oslo como forma paliativa de reduzir os níveis de resistência palestina e coloca uma nova ênfase na ocupação militar e na violência dos colonos contra a população confinada nos pequenos espaços ainda controlados pelos palestinos. A semelhança com os territórios supostamente independentes (os famigerados “bantustões”) na África do Sul durante o regime do apartheid fica evidente, ainda que as entidades sionistas busquem identificar qualquer crítica ao estado genocida de Israel como antissemitismo.

Além disso, este plano também é parte da disputa dos EUA por hegemonia mundial através da propagação do autoritarismo refletido no apoio à governos como Netanyahu, a exemplo de Bolsonaro no Brasil, Rodrigo Duterte nas Filipinas, entre outros exemplos. As inúmeras tentativas de ataque e desmoralização da luta palestina, sempre derrotadas, representam também um importante símbolo de força do imperialismo estadunidense na região e em seus mecanismos de dominação através do apoio simultâneo à inúmeras monarquias árabes ditatoriais na região.

Contra esta absurda movimentação dos governos de extrema-direita de Trump e Netanyahu é necessário declarar todo apoio à luta do povo palestino e sua resistência contra os invasores imperialista. Nossa solidariedade à Palestina é permanente, defendendo um estado soberano laico e plurinacional no qual todas as populações residentes da Palestina histórica, como árabes, judeus e drusos, possam conviver em paz a partir de premissas como a democracia popular e o direito de retorno das centenas de milhares de refugiados gerada pela Nakba (“catástrofe” em árabe, como os palestinos consideram a fundação de Israel).

Fora EUA do Oriente Médio! Palestina livre!

Artigo originalmente publicado no Portal da Esquerda em Movimento.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.