Covid-19: Trump quer “desviar” para os EUA a empresa alemã que investiga vacina
Debbie Birx, coordenadora da equipa de resposta ao coronavírus, numa conferência de imprensa esta semana com Trump e Pence. Foto Casa Branca/Flickr

Covid-19: Trump quer “desviar” para os EUA a empresa alemã que investiga vacina

Os Estados Unidos tentam ter acesso privilegiado à vacina desenvolvida pela empresa alemã CureVac.

Esquerda.net 17 mar 2020, 17:35

A notícia foi publicada no jornal alemão Welt am Sonntag e confirmada pela Reuters junto de fontes do governo de Angela Merkel: os Estados Unidos estão a tentar ter acesso privilegiado à vacina que está a ser desenvolvida pela empresa alemã CureVac. Segundo a versão publicada pelo jornal alemão, citando uma fonte anónima do governo, Donald Trump estaria empenhado em garantir que o trabalho dos cientistas fosse em exclusividade para assegurar a vacina, “mas só para os Estados Unidos”.

A empresa reagiu com um comunicado a afirmar que “rejeita todos os rumores” de que se esteja a preparar a sua compra por capital norte-americano e diz que não comenta quaisquer declarações acerca de ofertas de aquisição da sua tecnologia ou da própria empresa.

Na semana passada, o co-fundador e chefe de produção da CureVac disse à Reuters que a empresa já estava em processo de seleção dos dois melhores candidatos para uma potencial vacina para entrarem em ensaios clínicos. O CEO da empresa encontrou-se há poucos dias com Donald Trump, Mike Pence e outros membros da task-force montada pela Casa Branca para responder à pandemia. O tema do encontro foi naturalmente a evolução dos trabalhos para alcançar a vacina.

“O capitalismo tem limites”, diz deputado do SPD e epidemiologista

A notícia provocou uma reação imediata do governo alemão, com uma porta-voz do Ministério da Saúde a afirmar que o governo “está muito interessado em assegurar que as vacinas e substâncias ativas contra o novo coronavírus sejam desenvolvidas na Alemanha e na Europa”, pelo que se mantém em contacto permanente com os gestores da empresa.

Outro porta-voz do governo, mas da pasta da Economia, disse à Reuters que a lei alemã prevê que o executivo possa vetar negócios com países fora da União Europeia “se os interesses de segurança nacionais ou europeus estiverem em jogo”.

Mais contundente na reação foi o epidemiologista Karl Lauterbach ao afirmar que “a venda exclusiva de uma eventual vacina aos EUA deve ser impedida por todos os meios”. “O capitalismo tem limites”, afirmou o especialista que é deputado do SPD desde 2005, acrescentando que “não podemos continuar a depender de medicamentos da China e dos EUA”.

Artigo originalmente publicado pelo esquerda.net.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.