Fernanda Melchionna denuncia situação de calamidade em hospitais e atraso de verbas para equipamentos de proteção pelo Governo Federal

Fernanda Melchionna denuncia situação de calamidade em hospitais e atraso de verbas para equipamentos de proteção pelo Governo Federal

Recurso se mantém sem aplicação por falta de uma portaria do Governo Federal.

Equipe Fernanda Melchionna 17 abr 2020, 14:10

A deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) denuncia que, apesar de já ter destinado verbas por meio de emendas parlamentares para hospitais do Rio Grande do Sul visando a compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), o recurso ainda se mantém sem aplicação por falta de uma portaria do Governo Federal. De acordo com ela, a situação nos hospitais da capital gaúcha é calamitosa em meio à pandemia da Covid-19.

“A morte da técnica de enfermagem Mara Rúbia, de 44 anos, servidora do Hospital Conceição que veio a óbito em função do coronavírus é flagrante desta situação. Apesar da trágica morte desta trabalhadora ser a primeira registrada no RS, não se trata de apenas um caso isolado”, explica Fernanda.

Há cerca de um mês, os sindicalistas do Sindiusaúde/RS e do SIMPA estavam em campanha permanente nos hospitais de Porto Alegre e chegaram a entrar na justiça contra o GHC, o Clínicas e a Santa Casa para garantir os EPIs aos trabalhadores que faltam em todas as unidades e o devido afastamento de trabalhadores com mais de 60 anos, algo que até agora não foi feito.

Os sindicalistas fizeram a campanha devidamente paramentados com macacões, máscaras e luvas, entretanto, praticamente toda a diretoria está contaminada. O presidente do Sindisaúde, Júlio Jesien, encontra-se em quarentena por infecção, assim como coordenador geral do SIMPA, João Ezequiel, que teve contato com pessoas infectadas. Dois membros da diretoria estão na UTI e o ex-presidente Arlindo Ritter está internado, utilizando aparelhos para respirar.

A última audiência provocada por ação judicial de inúmeros sindicatos da área da saúde e segurança do trabalho feita por videoconferência no TRT4 aconteceu na última segunda-feira (6). Por decisão do desembargador Francisco Rossal de Araújo, ficou determinado o afastamento dos trabalhadores em grupos de risco de seus setores, mas não dos hospitais, o que pode significar um perigoso vetor de contaminação e risco à saúde desses trabalhadores.

Fernanda Melchionna destinou, como parte das emendas da bancada gaúcha, mais de R$2,9 milhões em recursos ao HPS, HPV, Hospital Vila Nova e HU de Canoas, para a compra de EPIs. No entanto, a verba espera portaria específica do Governo Federal para chegar ao seu destino. A deputada acrescenta que até agora não há previsão por parte do Executivo para a liberação.

“A situação dos trabalhadores da Saúde de Porto Alegre, que estão arriscando suas vidas para salvar tantas outras, não pode mais esperar. A verba que destinamos leva em conta este caráter emergencial da proteção individual e a necessidade de afastamento imediato daqueles que estão nos grupos de risco, especialmente os idosos. Estou muito preocupada com a lentidão desses processos. O caos na saúde se avizinha e o tempo que se perde, pode significar a perda de muitas vidas”, conclui.

Artigo originalmente publicado no site da deputada.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.