Moro criminoso?
Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Moro criminoso?

Além de Bolsonaro, Moro também deve explicações

Leandro Santos Dias 25 abr 2020, 15:37

Em 2005 o Brasil e o mundo acompanharam atentamente as revelações de Roberto Jefferson/PTB no que ficou conhecido como escândalo do mensalão do governo do PT.

Esse caso precisa ser lembrado afinal tínhamos o partícipe da corrupção – Roberto Jefferson – que quando viu o cerco fechando depois das revelações de propina nos correios e resolveu morrer atirando, revelou um dos maiores escândalos do país de troca de vantagens, dinheiro em troca de “base aliada no congresso”. Mas é preciso afirmar, Roberto Jefferson era um corrupto denunciando esquema em que o próprio se nutriu.

Hoje o país viu mais uma vez cenas que entrarão para a história, o SUPER MINISTRO Moro que chegou ao governo depois dos “serviços prestados na Lava-Jato” e com status de grande combatente contra a corrupção.

A polemica entre Moro e o presidente Jair Miliciano Bolsonaro tem como pano de fundo a direção da Polícia Federal tendo absolutamente tudo a ver com a pandemia do Covid19 Bolsonaro foi a guerra em mais um patético caso de conivência com corrupção e transgressão a lei.

A troca do diretor da Polícia Federal Mauricio Valeixo não é solicitada porque os paladinos da ética querem seguir com sua cassada aos corruptos do país, pelo contrário, nas palavras de Moro a “inquietação” de Bolsonaro tem a ver com dois inquéritos que tramitam no STF, um é o caso das Fake News que pode levar Carlos Bolsonaro a cadeia outro é o inquérito aberto para investigar quem propagou os atos que ferem a Constituição de apologia a ditadura, no dia 19 de abril.

Mais explicita a intenção de segurar investigações que a Polícia Federal se encarregariam e ou já estavam em curso impossível, pois problemas com a justiça é uma tônica na vida da milícia Bolsonarista.

Sergio Moro indagou o presidente que essa troca nesse momento sem motivo algum seria intervenção política e que quebraria a promessa de carta branca para o super Ministro Sérgio Moro ao que Bolsonaro respondeu “Sim é intervenção mesmo”.

Moro ainda revela que Bolsonaro quer um diretor da PF que ele possa ligar e inclusive a ter acesso a investigações sigilosas, o Ministro demitido que ainda não entregou a carta foi além e ainda comparou imaginem no governo passado em maio a Lava-Jato a então presidenta ligar para o diretor da PF e ameaçar demiti-lo e ou trocar superintendentes da PF.

A crise é grave estamos diante de um presidente cada vez mais isolado que mesmo sabendo o custo, bolsa de valores em queda e dólar em alta pagou para ver, afinal é isso ou família Bolsonaro com processos podendo leva-los a prisão.

Mas um fato chama a atenção Moro falou em preservar biografia se é que seja possível participar da lama e ainda sair com biografia ilesa, o ex-super ministro deu a entender como pano de fundo que essa não era a primeira vez e que em fatos passados não optou em enfrentar o presidente.

Mas que outros fatos são esses? E se Moro sabia de algo como jurou defender a Constituição tinha a obrigação de no momento expor isso, se não é um criminoso tanto quanto Bolsonaro.

Quais são essas outras questões que Moro falou que agora não seria o caso, seria o caso da Rachadinha envolvendo Flavio Bolsonaro e Queiroz? Seria o caso da Marielle? O que Moro sabe ele tem o dever de revelar.

Um crime confessou ao vivo quando argumentou que não queria nada em troca desde quando iniciou conversações afirma que a única “vantagem” que queriam em troca de virar ministro não seria a vaga que se abrirá em novembro no STF mas sim um pensão para sua família.

Aqui vale destacar o que fala o art. 317 do Código Penal:

Corrupção passiva

        Art. 317 – Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem:

        Pena – reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.  

Como podemos ver Moro deve explicações, pois ao não revelar as supostas interferências anteriores a essa na PF comete crime de prevaricação previsto no Art. 319 do Código Penal.

Antes que a memória se perca é fundamental cravar: Sergio Moro não fala da corrupção do governo Bolsonaro como um analista que está na Suécia, ele estava dentro do covil desse governo desastroso e deve explicações e tem o dever de ir aos órgãos competentes e revelar todos os crimes de Bolsonaro que sabe e ou de seu governo.

Mas é preciso ser justo Roberto Jefferson faz escola, Sergio Moro é um gigante com pés de barro que tem muito a explicar não só dos crimes de outrem mais de seus próprios crimes.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.