Sâmia Bomfim cobra Secretaria de Educação sobre convocação de professores em meio à epidemia
Reprodução

Sâmia Bomfim cobra Secretaria de Educação sobre convocação de professores em meio à epidemia

Mandato da deputada recebeu denúncias de que docentes estão sendo obrigados a irem para as unidades escolares em meio à pandemia do Coronavírus.

Equipe Sâmia Bomfim 10 abr 2020, 16:34

A deputada Sâmia Bomfim enviou, nesta semana, um ofício à Secretaria Municipal de Educação cobrando explicações sobre o porquê de as escolas não terem adotado, ainda, um regime de teletrabalho, que é uma importante medida sanitária diante do enfrentamento do Covid-19.

Leia aqui o ofício

Denúncias, que chegaram ao mandato, alegam que em inúmeras unidades escolares, incluindo Diretorias Regionais de Educação (DRE) do município, os profissionais de apoio têm sido convocados a comparecerem, apesar do recesso escolar e da baixíssima demanda de atendimento.

“Se isso estiver ocorrendo, é inadmissível. Não dá para o prefeito Bruno Covas ir à TV e pedir pra que toda a população fique em casa, e o secretário municipal de educação permitir que os professores municipais sejam expostos ao vírus dessa forma, sem a menor necessidade, afinal, os alunos não estão indo para as escolas”, afirma Sâmia.

O ofício exige, ainda, a adoção de medidas para restringir, AO MÁXIMO, a presença de profissionais de apoio nas Unidades Educacionais de São Paulo, orientando chefias e direções de ensino a não convocarem desnecessariamente servidores aos locais de trabalho.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.