Sâmia e bancada do PSOL entram com ação contra a nomeação do novo diretor da PF

Sâmia e bancada do PSOL entram com ação contra a nomeação do novo diretor da PF

Amigo da família do presidente, Alexandre Ramagem é indicação de Carlos Bolsonaro para bloquear as investigações na PF.

Equipe Sâmia Bomfim 30 abr 2020, 17:15

A deputada Sâmia Bomfim e a bancada do PSOL na Câmara apresentaram na Justiça Federal do Distrito Federal uma ação contra a nomeação de Alexandre Ramagem para o cargo de Diretor-geral da Polícia Federal do Ministério de Justiça e Segurança Pública.

Leia aqui.

Ramagem é delegado da Polícia Federal desde 2005 e amigo da família Bolsonaro. Por esse motivo, ele foi indicado a ocupar o cargo na diretoria do órgão, concretizando, assim, o desejo de Bolsonaro de ter alguém mais próximo na PF.

Após a saída de Sergio Moro, o presidente deixou claro que gostaria de fazer pedidos e solicitar relatórios e informações sigilosas sobre investigações em andamento na PF. “Todo brasileiro sabe que a Polícia Federal faz centenas de investigações por semana, das mais variadas naturezas. É óbvio que Bolsonaro não quer saber sobre a rotina de trabalho da PF, mas sim bloquear investigações que envolvam sua família, sobretudo seus filhos”, afirma Sâmia.

Vale lembrar que Bolsonaro já pediu para interrogar Ronnie Lessa para saber sobre o envolvimento de seu filho Jair Renan Bolsonaro, no inquérito que apura a execução da Vereadora Marielle Franco.

Atitudes como essa afrontam diferentes princípios da administração pública. Além disso, ao nomear Alexandre Ramagem – após exonerar o anterior ocupante do cargo precedido de declarações de que precisava de informações sobre a atuação da PF, Bolsonaro atua com desvio de finalidade e viola o princípio da moralidade administrativa, caracterizando, assim, um ato de improbidade administrativa.

Artigo originalmente publicado no site da deputada Sâmia Bomfm.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.