Sandro quer ações para reduzir aglomerações na Caixa Econômica

Sandro quer ações para reduzir aglomerações na Caixa Econômica

Não podemos naturalizar que as opções para o povo sejam morrer de fome ou de Covid.

Sandro Pimentel 8 Maio 2020, 11:31

Por conta das longas filas e aglomerações nas agências da Caixa Econômica Federal, nosso mandato convocou os órgãos competentes para debater o tema na próxima reunião da Comissão Especial de Enfrentamento ao Coronavírus da ALRN – na quinta-feira (7), 14h.

Entendemos que as filas são frutos da necessidade e urgência da população, mas também que é função do poder público garantir que o acesso ao Auxílio respeite as normas de segurança sanitária orientadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Não podemos naturalizar que as opções para o povo sejam morrer de fome ou de Covid!

Para discutir e pensar soluções para o problema, foram convidados José Ricardo Gama (Superintendente Regional da Caixa Econômica Federal), Elequicina Maria dos Santos (Secretária da STTU), Cipriano Maia de Vasconcelos (Secretário Estadual de Saúde Pública do RN) e Iris Maria de Oliveira (Secretária de Estado do Trabalho, da Habitação e Assistência Social).

“Esperamos contar com a participação de todos e todas, e que possamos encaminhar ações concretas para resolver essa grave situação.”, afirmou Sandro Pimentel.

 Veja o requerimento aqui: https://bit.ly/requerimento_caixa

Fonte: http://sandropimentel.com.br/sandro-quer-acoes-para-reduzir-aglomeracoes-na-caixa-economica/


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.