Angola: nova manifestação anunciada para sábado
EPA/Lusa.

Angola: nova manifestação anunciada para sábado

Ativistas angolanos anunciaram esta segunda-feira uma nova manifestação em Luanda contra a corrupção, repressão e impunidade política.

Esquerda.net 20 nov 2020, 13:37

Depois de uma marcha na última quarta-feira que terminou sob forte repressão, com dezenas de ativistas detidos e um estudante morto, os ativistas pretendem voltar às ruas de Luanda para protestar contra a corrupção e impunidade política, noticia a Agência Lusa.

“Angola Diz Basta!!!” lê-se no cartaz divulgado pelos promotores do protesto, Laura Macedo, Helena Vitória Pereira, Fernando Macedo, Leandro Freire e Mwata Sebastião. A manifestação tem concentração marcada para este sábado às 12:00 no Largo da Independência (1.º de Maio), em Luanda.

De acordo com os ativistas, o lema da manifestação é: “por um combate à corrupção e à impunidade em Angola, sério e justo, contra todos os suspeitos”, e incentivam os angolanos a “sair do Facebook e exigir justiça”, para dizerem “basta” à “falta de seriedade e transparência na luta contra a corrupção, manipulação da imprensa, mentiras e adiamentos das eleições autárquicas”.

Na marcha do dia da Independência em Angola, na passada quarta-feira, milhares de jovens foram impedidos pela polícia de se juntarem no centro de Luanda para se manifestarem, tendo sido dispersados por gás lacrimogéneo e canhões de água.

A polícia nega qualquer excesso de força, mas foi registada a morte de um estudante, bem como a prisão de dezenas de manifestantes. Testemunhas oculares afirmam ter sido baleado pela polícia, que nega responsabilidades. Os médicos do hospital onde o estudante, Inocêncio de Matos, morreu, dizem ter sido vítima de agressão com objeto não especificado.

A marcha pacífica pretendia reivindicar melhores condições de vida, eleições autárquicas em 2021 e a demissão do chefe de gabinete do Presidente da República, Edeltrudes Costa, alegadamente envolvido em esquemas de enriquecimento ilícito.

Artigo originalmente publicado no esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.