Justiça britânica decide contra extradição de Assange aos EUA

A decisão é uma vitória do ativista, que vem sendo perseguido pelos últimos 10 anos por publicar documentos de interesse público no WikiLeaks.

Tiago Madeira 4 jan 2021, 10:49

A justiça britânica decidiu contra a extradição de Julian Assange aos Estados Unidos. No julgamento realizado hoje de manhã no Reino Unido, a juiza Vanessa Baraitser aceitou o argumento de que as condições dos presídios americanos são perigosas para a saúde mental de Assange e que não seriam capazes de impedir que ele cometesse suicídio. O governo americano deve recorrer, enquanto a defesa entrou com um pedido de fiança para que Assange possa responder em liberdade. Esse pedido será julgado nesta quarta-feira.

Como destaca o jornalista Kevin Gosztola, que cobriu todo o julgamento, Baraitser aceitou praticamente todas as alegações do governo americano que criminalizam a atividade jornalística de Assange, o que é alarmante para a liberdade de imprensa. Ainda assim a decisão é uma vitória do ativista, que vem sendo duramente perseguido pelos últimos 10 anos por publicar documentos de interesse público no WikiLeaks.

O pânico com que os que poderosos reagem a Assange comprova a força de suas ideias e do seu exemplo. Slavoj Zizek caracteriza o australiano como um espião de e para o povo, que revelou ligações espúrias entre grandes corporações privadas de tecnologia e agências governamentais. Não há um estado por trás dele, enquanto um forte aparato trabalha dia e noite para acossá-lo.

Assim, cabe a nós não esquecer Assange e lutar pela sua liberdade. A decisão de hoje é um importante passo nessa luta.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!