Vacinas para todos

O movimento sindical deve realizar uma campanha em massa e exigir das autoridades locais o compromisso da vacinação.

MEOB, MOVER e TLS 8 jan 2021, 17:28

A pandemia não mostra sinais que irá diminuir, ao contrário, contínua um número crescente de contágio e milhares de mortes. Porém, já há inúmeras vacinas, algumas em fase de aprovação. O movimento sindical deve exigir um plano de vacinação e pressionar os patrões, gestores e as autoridades locais e nacional para garantir a imunização de todos.

No Brasil o Coronavírus já infectou 7,8 milhões de pessoas e matou aproximadamente 200 mil pessoas. As autoridades sanitárias chamam atenção da flexibilização (ampliação de atendimento comércio, restaurantes, transporte, etc) que os governos municipais e estaduais estão realizando e pela aglomeração realizada no final do ano. Nos próximos dias podemos ter um colapso no sistema de saúde, e um dos sinais é a situação do estado do Amazonas com o maior média de número de mortes/dia no país.

Na Europa, EUA a situação com a nova cepa, que aumenta o número de contágio tem levado os governos aumentarem as restrições, inclusive com lockdown. No Japão anunciou estado de emergência em Tóquio e na região metropolitana da capital. Nos Estados Unidos tem novo recorde com 3.865 mortes por covid-19 em um dia.

73 vacinas contra o coronavírus estão sendo desenvolvidos no mundo, sendo que seis delas já estão prontas para o uso na população, ainda que outras já são usadas, mesmo sem ter passados por todas as fases. As mais conhecidas são a Moderna, Oxford-AstraZeneca, BioNech-Pfizer, Sputinik V, Sinpharm, Coronavac entre outras.

Os países que já deram início à imunização enfrentam vários tipos de dificuldades, como por exemplo: armazenar as vacinas em temperaturas muitas baixas, falta funcionários para administrar e monitorar o número de pacientes com covid-19, capacidade de produção, e principalmente a garantia de logística para a distribuição. Aqui, o governo Bolsonaro negacionista atuando contra a vacinação, tudo é mais complicado, como a demora na compra de vacinas e insumos e, ainda o atraso dos laboratórios para pedir autorização para ANVISA, diante das exigências técnicas.

A superação dos obstáculos políticos e técnicos será através da nossa pressão como tem realizado alguns prefeitos e governadores. No entanto sabemos que o interesse desses, muitas vezes, não passa de fazer um jogo de cena para tirar o corpo fora. O verdadeiro compromisso com o interesse do povo vem de suas representações genuínas da classe trabalhadora, seus sindicatos, centrais sindicais, associações e partidos da esquerda.

É necessária a realização de uma campanha urgente de conscientização da importância de todos se vacinarem, pois segundo a pesquisa do Instituto Datafolha 22% dos brasileiros não pretendem tomar a vacina. A imunização só será eficaz com adesão da população, pois é necessário que mais de 70% da população esteja vacinada para haver um controle do COVID-19.

O movimento sindical deve realizar uma campanha em massa, com cartazes, notas, outdoors, folders e exigir das autoridades locais o compromisso da vacinação em massa, ainda que respeitando o critério das pessoas idosas, trabalhadores da saúde, trabalhadores da educação e dos serviços essenciais. No entanto, sabe-se que para haver uma imunização eficaz é necessário não deixar ninguém sem vacina e conter a transmissão. Portanto, o Ministério da Saúde, os governadores e prefeitos tem obrigação de garantir vacina para todo cidadão que vive no Brasil


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!