As marchas da Greve Nacional estão se tornando cada vez mais gigantescas

A Colômbia em movimento.

Fernando Alexis Jiménez 28 maio 2021, 16:15

As mobilizações que começaram na Colômbia há 22 dias e que posicionaram Cali como uma referência nacional estão dando frutos com a queda estrondosa de duas reformas em andamento: a fiscal e a da saúde, enquanto o governo é advertido pelas classes populares sobre uma nova revolta se insistir em reformas previdenciárias e trabalhistas.

É a greve mais longa da história do país, maior em força e participação do que a realizada em 14 e 15 de setembro de 1977. Para diminuir o impacto dos protestos, o presidente Alfonso López Michelsen descreveu o dia como subversivo. Suas observações nada mais fizeram do que exacerbar os temperamentos e tornar os movimentos populares mais dinâmicos. Naquela época, foram feitas exigências.

Quando a greve terminou, o relatório dos trabalhadores foi um relatório de vitória. Embora alguns o descreveram como inconsequente, o salário mínimo subiu três vezes nos oito meses seguintes, enquanto os salários na indústria subiram 16 pontos.

Colômbia em movimento

As marchas na Colômbia que apoiam a Greve Nacional e respondem às expectativas do Comitê Nacional que organiza as atividades estão crescendo em número. A de 28 de abril foi espetacular, mas a realizada nesta quarta-feira, 19 de maio, em toda a Colômbia superou todas as previsões.

Em meio às mobilizações, a notícia da queda da reforma do sistema de saúde ganhou impulso. E mesmo quando o sol era incandescente e parecia ter a capacidade de derreter o asfalto, cada trabalhador, estudante, indígena, membro da comunidade e membro das diferentes expressões populares teve a coragem de avançar. “Conseguimos, conseguimos”, aplaudiram enquanto, no fundo, nos veículos sonoros, o hino do Paro podia ser ouvido: “Duque chao, duque chao”.

Marchas pacíficas

Ao contrário do que o governo nacional previu sobre motins e novo vandalismo, o dia 19 de maio foi um dia com um marco histórico: tudo aconteceu em um quadro de tranquilidade.

Finalmente, deve-se notar que os colombianos saíram às ruas, apesar dos anúncios do Presidente Duque de que ele insistiria na intervenção militar para recapturar os bloqueios e pontos de resistência.

Mas a menos que haja uma negociação eficaz e eficiente com o governo nacional (permita-me duvidar, pois do meu ponto de vista Duque é um encantador de cobras), as mobilizações continuarão e, alimentadas pela não-conformidade, com mais força.

Blog do autor: https://cronicasparalapaz.wordpress.com

Artigo originalmente publicado em Resumen Latinoamericano. Reprodução da tradução realizada pela Fundação Lauro Campos.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!