Carta aberta às companheiras e companheiros da LCP e a todos os democratas brasileiros

Carta da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL) em solidariedade à LCP.

A FNL, Frente Nacional de Luta Campo e Cidade, repudia as declarações mentirosas do genocida mor deste país, proferidas no dia 01 de maio de 2021, atacando vossa organização, intentando desviar a atenção da sociedade brasileira para com seus crimes.

Bolsonaro transformou o Brasil em um país isolado do resto do mundo com suas mentiras e ataques ao meio ambiente, à ciência e a Educação. Não consegue passar um dia se quer sem falar uma besteira para alimentar seu público alienado e negacionista.

A luta pela terra não é terrorismo e nem um foco em Rondônia, onde resistem bravamente os camponeses que lutam pelas terras da Fazenda Santa Elina no Acampamento Manoel Ribeiro. Apesar do Bolsonaro e de seu governo genocida e atordoado, a luta pela terra persistirá e triunfará, pois o sonho do povo de ver a terra dividida, produzindo e sendo o espaço de dignidade humana, jamais será apagado por aqueles que ver na truculência e na mentira, a forma de combater luta do povo que segue em marcha rumo a vitória.

Por todo o país seguimos lutando e resistindo, e estes ataque só vão unir mais ainda o movimento camponês brasileiro e suas organizações legítimas. A luta do povo já enfrentou a ditadura e persistiu, não será um filhote da ditadura, adorador de torturador que nos calará, unidos derrotaremos esse governo genocida e incompetente.

Estamos juntos, companheiros. Nossa luta, historicamente, jamais foi afogada em sangue, e não o será agora. E estaremos juntos até alcançarmos um país independente, soberano, justo, desenvolvido e democrático de verdade.

Viva a luta pela terra!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos
Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é uma edição especial de nossa Revista Movimento, de números 19 e 20. Nela, publicamos um dossiê que celebra os 150 anos de nascimento de Rosa Luxemburgo, vinculado à iniciativa coordenada por nossa camarada Luciana Genro: o curso da Escola Marx “150 anos de Rosa Luxemburgo: pensamento e ação”.