Queremos Vacina, Não Copa!

Hoje, 31, a Conmebol anunciou o Brasil como país sede da Copa América. Sara Azevedo e Felipe Duque debatem tal anúncio à luz da conjuntura brasileira.

Felipe Duque e Sara Azevedo 31 maio 2021, 18:08

No final da noite do dia 30 de maio, a CONMEBOL anunciou que a Argentina não sediaria mais a Copa América, competição continental de seleções, e estaria aberta a receber propostas para nova sede.

Na manhã de hoje, 31/05, já tinha um novo anúncio de que o Brasil teria se proposto a ser sede. A rapidez na resposta, nunca antes vista – que o digam os representantes da farmacêutica Pfizer – fez com que Bolsonaro e a CBF fossem saudados e referenciados pela entidade organizadora.

“Brasil: Ame-o ou deixe-o”

A Copa América é um torneio continental de seleções que possui uma história de promoção do futebol, especialmente latino americano. O mais antigo dos torneios entre nações no mundo tem sido também usado para ampliar hegemonias no nosso continente e o uso do futebol como arma política é recorrente também, assim como escândalos de corrupção envolvendo as entidades esportivas.

Em 2015, estourou um escândalo conhecido mundialmente como FIFAGATE que levou à prisão vários cartolas brasileiros, como o ex-presidente da CBF José Maria Marin, e teve outros ex-presidentes sendo acusados de corrupção. Na última edição da Copa América, realizada no Brasil em 2019, além dos altíssimos preços dos ingressos, que afastaram os torcedores dos estádios, levou o Estado do Rio de janeiro a uma crise fiscal gigantesca, promovendo congelamento dos salários dos servidores públicos, contraditoriamente aos lucros da CBF que giram em torno de centenas de milhões.

A CONMEBOL, na tentativa de se igualar a EUROCOPA, tornou o torneio, que se realizava de 4 em 4 anos, praticamente anual. A insistência na realização, após ter sido adiado e recebido pedido de cancelamento pelo governo colombiano, onde a onda de protestos contra o presidente direitista Ivan Duque chegaram aos estádios, que ficaram vazios de torcedores, e receberam as fumaças da repressão nas ruas – os incidentes ocorreram nos jogos da Copa Libertadores da América nas partidas de Fluminense (alterada em seu local) e Atlético Mineiro contra times da Colômbia.

Após a Copa América ter sido negada por Colômbia, Argentina, Chile e EUA, com argumento legítimo da pandemia, o governo brasileiro traz para o Brasil no momento que já perdemos quase meio milhão de brasileiros para o novo coronavírus e de uma onda de grandes manifestações que se realizaram em mais de 180 cidades do país, se tornando a maior mobilização após a pandemia.

Com isso, Bolsonaro tenta se equiparar a Médici, ditador brasileiro que, na Copa do Mundo de 1970, fez diversas campanhas nacionalistas, trazendo o torneio e levantando uma onda cívica para encobrir um governo genocida.

A política do “Pão e Circo” é uma característica de governos ditatoriais para inculcar uma ideia de “festa”, em contraste às desigualdades sociais. Bolsonaro tenta reeditar essa chamada no Brasil de 2021, quando não temos o “Pão”. São cerca de 28% da população brasileira em situação de insegurança alimentar ou passando fome no país. O “Circo” não tem platéia pois, com mais de 450 mil mortos, a torcida virou velório. E o picadeiro já não encanta o público que, cansado, diz não à copa.

Contra atacar

Atrelado a essa megalomania irresponsável, temos um impacto perene das medidas ultra-neoliberais de Paulo Guedes, abraçadas pela base de Bolsonaro com os famosos “mensalões”, onde o resquício de social do Estado se esvai, assim como a soberania nacional com a venda da Eletrobrás.

Enquanto nossos ativos são praticamente “doados” como uma Republiqueta de Bananas, Bolsonaro vê no evento a possibilidade de coesionar sua base pseudo-patriótica que usa a blusa da seleção e presta continência para a estátua das lojas do “Véio da Havan”.

Uma jogada arriscada, é o famoso “esticar a corda”. Em contrapartida, depois de protestos efusivos no dia 29, que pediram sua saída, o atual presidente pode acender uma faísca perto de um depósito de dinamites. 

Que o dinheiro que a CONMEBOL e CBF buscam com a Copa, seja revertido em vacinas e na garantia de que elas cheguem no braço de cada brasileiro, comida no prato para todos e segurança sanitária para que os gritos de gol possam ecoar no país.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!