Saudação ao 26 de Julho
Reprodução

Saudação ao 26 de Julho

15 dias após os protestos de 11 de julho, Comunistas prestam homenagem aos mártires de 26 de julho e analisam as manifestações controversas.

Blog Comunistas 27 jul 2021, 19:07

Este 26 de julho marca o 68º aniversário do ataque ao quartel de Moncada e 15 dias desde os protestos que sacudiram Cuba em 11 de julho.

Ambos os eventos estão longe de ser eventos históricos similares, mas a contra-revolução está tentando manipulá-los. De acordo com a direita, os protestos de 11 de julho seriam o verdadeiro dia da rebelião nacional e não o assalto ao quartel de Moncada.

No entanto, além das distorções e abordagens ideológicas, o que é certo é que o 11 de julho continuará sendo um dia histórico. É preocupante que o governo cubano esteja tentando minimizar e criminalizar os protestos naquele dia. Pode servir precariamente como propaganda política, mas se na realidade nossos líderes acreditam que os protestos foram o produto exclusivo da contra-revolução, então eles não terão entendido o que aconteceu em 11 de julho. Esta possível surdez é muito perigosa para a sociedade cubana. Ignorar o fato de que aqueles que saíram para protestar em 11 de julho eram uma representação do setor economicamente mais atingido é estar enfrentando algo semelhante dentro de alguns meses.

É verdade que a contra-revolução desempenhou um papel de propaganda eficaz; é verdade que os Estados Unidos querem que o Partido Comunista caia em Cuba; é verdade que o bloqueio tem um impacto negativo, mas a espontaneidade das massas no dia 11 de julho tem causado muito mais proximidade com a vida cotidiana da classe trabalhadora, como a escassez, a má administração e o descaso com bairros economicamente vulneráveis. O governo cubano terá dificuldades para remediar a terrível escassez que Cuba está sofrendo. Mas a crise não é apenas econômica, mas também política, e isto, juntamente com o fator fome, é muito perigoso.

Há tanta desconfiança entre o povo e a direção do Partido que as maiorias silenciosas não lêem a imprensa oficial e a imprensa oficial apenas relata sobre aqueles que saíram para defender o governo e sofreram violência.

Tanto a imprensa oficial quanto a privada manipularam e distorceram os acontecimentos de 11 de julho a ponto de torná-los irreconhecíveis. De repente, para alguns, o 11 de julho foi um ato repreensível de vandalismo e para outros um levante nacional contra a “ditadura”. Ambas as versões simplistas cancelam a complexidade resultante das massas famintas. Os eventos de 11 de julho tiveram a legitimidade política do protesto social e também tiveram atos condenáveis de vandalismo.

Cuba não é uma ditadura, mas os direitos de muitos cidadãos que saíram para se manifestar foram violados. É verdade que a terrível palavra “desapareceu” foi manipulada, mas centenas de detentos passaram dias sem poder se comunicar com suas famílias, e seu paradeiro é desconhecido. É verdade que Cuba é um Estado socialista governado pelo Estado de direito, mas em mais de alguns julgamentos sumários os processos legais estabelecidos foram violados e sentenças de quase um ano foram proferidas pelo simples fato de ter estado na manifestação. É verdade que tudo isso pode servir para assustar e evitar novos protestos, mas se acontecer novamente um 11 de julho, os manifestantes sairão levando a fúria que essas violações geraram. A coerção interrompe o protesto, mas aumenta a separação entre o governo e o povo cubano.

Reproduzir o discurso que os milhares de manifestantes de 11 de julho eram contra-revolucionários é entregar à contra-revolução uma vitória que ela não tem. Reproduzir o discurso que as manifestações de 11 de julho foram preparadas pela contra-revolução é reconhecer a capacidade de organização e mobilização da ala direita que ela não tem. Somente a partir de uma análise crítica marxista podemos entender o que aconteceu em 11 de julho. O discurso acrítico apenas isola o governo da sociedade e fortalece a propaganda política contra-revolucionária. É urgente que o governo cubano analise o que fez de errado e o explique publicamente. As massas estão cansadas de ouvir como o culpado de tudo é o imperialismo ianque. As maiorias querem ouvir o governo fazendo uma profunda autocrítica, reconhecendo que o 11 de julho é em grande parte parte parte de seus erros – um gesto que daria uma alta dose de legitimidade política à liderança – mas a arrogância cega da burocracia o impede de fazer isso. As maiorias silenciosas diferenciam cada vez mais Fidel Castro do governo atual, vendo no Comandante-Chefe alguém que teria resolvido a crise econômica com o povo e não com a atual liderança do país, que eles vêem como distante e fora de contato com suas realidades. Esta é outra quebra preocupante na legitimidade política do governo.

Além das prisões de 11 de julho e dos julgamentos sumários que se seguiram, outras medidas de represálias administrativas, como demissões e sanções políticas, começaram a ser tomadas contra aqueles que só participaram dos protestos ou que se presume que tenham participado. Esta situação também tem servido para purgar os intelectuais que se sentem desconfortáveis com o discurso oficial, mesmo que sejam marxistas. Não basta mais criticar dentro do estabelecimento; só se pode criticar quando e sobre o que é autorizado. Apoiados pelo espectro do 11 de julho, os oportunistas darão livre curso às purgas e à antropofagia política. Se algo for danificado, será o ideal socialista, que uma parte da classe trabalhadora continuará a associar cada vez mais com a censura e a repressão. Mas lembremos sempre que o estalinismo e suas versões não são nada além de deformações contra-revolucionárias do ideal comunista.

Grande parte da violência sofrida em 11 de julho poderia ter sido evitada se o governo cubano tivesse legalizado o direito à manifestação pacífica. O apelo do presidente cubano Miguel Díaz Canel para uma manifestação mobilizou centenas de comunistas, mas também foi amplamente rejeitado. Muitos dos que saíram para defender o governo o entenderam literalmente como uma “ordem de combate”. Dezenas delas carregavam bastões evidentemente preparados com antecedência para situações similares. Todos foram feitos na mesma cor, no mesmo tamanho e com o mesmo design. A polícia e órgãos similares estão lá para reprimir os violentos.

Para reprimir não se confeccionam varas e as entregam a civis que sabem que estão protegidos pela lei, mesmo que exerçam violência fora de qualquer legalidade.

Que todo o peso da lei recaia sobre aqueles que vandalizaram ou, pior ainda, tentaram assassinar. Mas não sobre aqueles que exerceram seu direito de protesto, que não é legislado em Cuba, mas é legítimo.

Abaixo a contra-revolução!
Viva a classe trabalhadora!
Viva a liberdade!
Viva o dia 26 de julho!
Pátria ou morte!
Rumo ao comunismo!

Que a marcha de 26 de julho guie nossa luta!

Artigo originalmente publicado em Blog Comunistas. Reprodução da tradução publicada pelo Observatório Internacional do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!