Achille Lollo – uma perda inestimável

Militante faleceu na Itália.

4 ago 2021, 12:37

Achille Lollo nasceu em 1950. Salvatore Lollo, seu pai, comunista italiano e resistente, prisioneiro nos campos de concentração e de trabalho fascista, participou da guerra de libertação na Itália e na Iugoslávia.Em abril de 1973, aos 23 anos, Achille Lollo e outros dois companheiros da organização Potere Operaio (Poder Operário) foram acusados de ação contra dirigente neo-fascista que resultou em duas mortes, reconhecidas pela Justiça como não intencionais. O caso foi e segue sendo explorado pela imprensa de direita e neo-fascista italiana.

Achille Lollo passou dois anos em prisão preventiva e, em liberdade condicional, em 1975, refugiou-se em Angola, onde prosseguiu sua militância internacionalista, colaborando ativamente com o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), com a Organização do Povo do Sudoeste African (SWAPO), com o Congresso Nacional Africano (ANC). Participou da organização da imprensa escrita e radiofônica do Estado e do Exército revolucionário angolano. Em1980, acompanhou como correspondente de guerra os combates contra a invasão sul-africana do pais.

Durante os dez anos em que trabalhou em Angola, foi duramente assediado por instituições do Estado italiano e por dirigentes neo-fascistas, sob as mais diversas e estapafúrdias acusações.

Achille Lollo jamais negou a responsabilidade das consequências inesperadas do ato no qual participou, negando-se sempre ao “arrependimento” (“pentitismo”) de suas convicções de comunista internacionalista, que lhe garantiria o fim da perseguição que golpeou a ele e consequentemente a sua família.Em 1986, casado com cidadã luso-angolana, com quatro filhos, transferiu-se para o Brasil, onde trabalhou inicialmente como professor de italiano. Militando no PT (Força Socialista), em junho de 2004, participou da fundação do PSOL. No Rio de Janeiro, de 2004 a 2010, dirigiu três prestigiosas revistas de esquerda, “Nação Brasil, Conjuntura Internacional e Critica Social” e produziu múltiplos documentários sobre as lutas sociais na América Latina, com destaque para a Colômbia e a Venezuela.

No Brasil, seguiu o assédio que conhecera em Angola. Em 1994, esteve preso, por quase um ano, na Polícia Federa do Rio de Janeiro, devido às perseguições das autoridades italianas.

Em janeiro de 2005, prescreveu a pena de dezoito anos de prisão a que fora condenado, mantendo-se milionária pena de ressarcimento econômico – um milhão de euros – que lhe impede de possuir qualquer bem.

Em 2010, com problemas de saúde, retornou à Itália, dedicando-se profissionalmente à agricultura ecológica, atividade comprometida pela Pandemia. Seguiu escrevendo, como comunista sem partido, sobre a situação internacional para publicações de esquerda, sobretudo do Brasil e da Itália. Achille Lollo faleceu, hoje, pela manhã (Itália), no hospital de Trevignano Romano.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).