Em busca das raízes do mal haitiano
Reprodução

Em busca das raízes do mal haitiano

De todas as experiências recentes de transição política de ditaduras para democracias, a longa, caótica e adiada democratização do Haiti é a única que ainda não conseguiu definir as regras certas do jogo para a disputa do poder e as alternâncias necessárias.

Ricardo Seitenfus 30 ago 2021, 11:41

O assassinato do seu presidente e o mais recente terramoto despertaram uma vez mais os preconceitos internacionais sobre o Haiti. A imprensa, os políticos, e mesmo os chamados especialistas repetem o mesmo velho ditado: a maldição de um país e de um povo castigado por Deus pelos seus repetidos pecados. Nada poderia estar mais longe da verdade.

O Haiti não é o país mais pobre das Américas. É o seu país mais empobrecido. Tudo começou com a sua tripla revolução pela independência, descrita por Alejo Carpentier como um “milagre” tornado possível pela crença “nos poderes licantrópicos de Mackandal” (prólogo de “O Reino deste Mundo”).

A revolução haitiana foi vista pelo Ocidente como absurda e inaceitável. O facto de um grupo de negros escravizados e analfabetos ter infligido uma derrota ao exército considerado o melhor treinado e equipado da época choca com o espírito da época.

Comandado por Charles Victoire Emmanuel Leclerc, cunhado de Napoleão Bonaparte, quando ancora no Cabo Francês, o Exército do Reno continua a exalar o cheiro a pólvora das múltiplas vitórias conquistadas nos campos de batalha europeus. Estamos diante de um evento pioneiro: pela primeira vez na história, um exército branco foi derrotado pelas forças armadas de outra raça.

Os derrotados tentarão apagar qualquer vestígio da catástrofe da memória coletiva. Os vencedores sublimarão o acto heróico, transformando-o na certidão de nascimento de uma nação e um exemplo a ser seguido pelos povos então colonizados.

Após mais de duas décadas, em 1826, foi assinado um tratado através do qual a França reconheceu a independência e obteve uma compensação financeira equivalente a 27 mil milhões de dólares atuais. Isto abriu um ciclo de dependência e endividamento que comprometeu o desenvolvimento económico e hipotecou o futuro do Haiti até ao pagamento integral em 1947.

Os Estados Unidos acompanharam a França na sua estratégia de negar a existência do Haiti. O Presidente Jefferson declarou em 1801 que, caso a ilha conseguisse a independência, deveria permanecer sob controlo: “Enquanto impedirmos que os negros possuam navios, podemos deixá-los existir e continuar a manter contactos comerciais muito lucrativos uns com os outros”.

A estratégia de manter os haitianos presos na sua própria ilha, tornando o Mar das Caraíbas uma barreira intransponível, tem impedido o Haiti de ter até hoje uma marinha mercante. Mais do que um instrumento indispensável para a integração nos fluxos comerciais mundiais, o navio é um intercâmbio de ideias e experiências. Vindo do Haiti, ambos são perigosos.

A posição dos EUA sobre a possibilidade de um Saint-Domingue independente não deixa margem para dúvidas: “O Haiti pode existir como uma grande aldeia pitoresca, um quilombo ou um palenque. Mas isso não significa aceitá-lo no concerto das nações”.

Os libertadores procederiam de forma semelhante. Encurralado, deprimido e à beira do suicídio, um desesperado Simon Bolívar encontrou refúgio na Jamaica em Dezembro de 1815. Foi então para Les Cayes com o que restava da sua frota, recebeu apoio haitiano e liderou uma expedição para a costa oriental da Venezuela em Maio de 1816. Bolívar foi derrotado e regressou ao Haiti para procurar refúgio e ajuda.

Mais uma vez, os arsenais haitianos forneceram a Bolívar espingardas e munições, e 300 homens juntaram-se ao projeto. Comandando uma frota de oito navios, o futuro libertador zarpou para a Venezuela a 28 de Dezembro de 1816 para finalmente conhecer a sua tão sonhada vitória.

Sem o apoio do Haiti, a vitória de Bolívar teria sido impossível, como o próprio reconheceu quando consultou Alexandre Pétion sobre a pertinência de o considerar “o autor da libertação americana”. O presidente haitiano nunca respondeu. Ele tinha exigido apenas uma condição, que era que, uma vez alcançado o sonho de independência, os libertadores se comprometessem a abolir a escravatura.

Promessa feita. Promessa não cumprida. Os libertadores temiam o possível contágio das ideias e da violência que prevaleciam em Santo Domingo. A vitória dos affranchis e dos escravos foi um alerta para os esclavagistas das Américas e um aviso para as consequências temíveis da propagação de ideias liberais de igualdade racial e direitos humanos universais.

Quando o Congresso do Panamá foi convocado em 1826, com o objectivo de lutar contra a dispersão e a favor da integração da América Latina, Simon Bolívar surpreendentemente convidou os Estados Unidos, que se recusaram a participar.

O convite ao Haiti para participar no evento não é sequer considerado. O episódio marcou a marginalização definitiva do país nos assuntos continentais. Assim se completa o círculo em volta da turbulenta república negra e começam os 200 anos de solidão haitiana nas relações internacionais.

Para além destas raízes históricas, existem raízes contemporâneas. A novíssima Constituição de 1987, a mais democrática da história do Haiti, indica a vontade dos legisladores de fazer com que o poder legislativo exerça controlo sobre o poder executivo. Obcecados pela maldição do Palácio Nacional, segundo a qual os chefes de Estado, mesmo os democraticamente eleitos, se tornam autocratas assim que são instalados no poder, os eleitores decidiram atar-lhes as mãos, forçando o primeiro-ministro e o seu gabinete a obter uma maioria parlamentar.

Neste regime, o chefe do executivo propõe e o parlamento decide. Trata-se portanto de um regime híbrido, uma porta aberta à crise. O modelo constitucional prevê incompatibilidades entre o presidente da república e o primeiro-ministro. Alguns analistas vão ao ponto de ver o último como um contrapeso para o primeiro. A bicefalia do ramo executivo haitiano é o seu tendão de Aquiles. Um tal sistema eleitoral não serve os objectivos previstos nos sistemas democráticos modernos. Nestes, as eleições são um controlo da instabilidade e da ilegitimidade. Uma vez que nenhum dos 264 partidos que perdem as eleições reconhece os seus resultados, as eleições tornam-se fatores adicionais que alimentam as crises e provocam a violência.

De todas as experiências recentes de transição política de ditaduras para democracias, a longa, caótica e adiada democratização do Haiti é a única que ainda não conseguiu definir as regras certas do jogo para a disputa do poder e as alternâncias necessárias. Os exemplos bem sucedidos apontam na mesma direção: os atores políticos devem, por um lado, curar as feridas do passado e, por outro, estabelecer regras para o futuro.

As transições políticas latino-americanas que restabeleceram a democracia representativa sofreram tensões que levaram mesmo a conflitos armados. Mas o denominador comum era a assinatura de um pacto de governabilidade em que as partes eram obrigadas a respeitar as regras do jogo democrático, favorecendo a coexistência pacífica entre as forças políticas.

A transição haitiana não conheceu, até agora, tal evolução. As partes derrotadas tendem tradicionalmente a contestar a legitimidade da disputa e o vencedor abusa do seu poder ao tentar subjugar a oposição. Sem a assinatura de um pacto de liberdades e garantias democráticas, a salvação é impossível.

Artigo originalmente publicado em La Brecha. Reprodução da tradução realizada pelo esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!