O maior sindicato de professores de Hong Kong a ser dissolvido após a pressão do governo e da mídia estatal chinesa
Reprodução

O maior sindicato de professores de Hong Kong a ser dissolvido após a pressão do governo e da mídia estatal chinesa

Fundado em 1973, o Diário Popular Chinês e o telejornal chinês Xinhua criticaram o sindicato como um “tumor venenoso” que deve ser “erradicado”.

Candice Chau 12 ago 2021, 18:23

Fundado em 1973, o Diário Popular Chinês e o telejornal chinês Xinhua criticaram o sindicato como um “tumor venenoso” que deve ser “erradicado”.

O Sindicato dos Professores Profissionais de Hong Kong (HKPTU) anunciou sua dissolução na terça-feira 10.

O HKPTU, com mais de 95.000 membros, era o maior sindicato de professores da cidade, representando mais de 90 por cento da profissão.
Ele vem depois que a Secretaria de Educação anunciou sua decisão de eliminar todos os vínculos com o sindicato em 31 de julho – horas depois que o grupo ficou sob fogo na mídia estatal chinesa.

Um porta-voz do governo de Hong Kong acusou-o então de “arrastar as escolas para a política”, fazendo referência à sua organização de uma greve de professores durante o Umbrella Movement 2014 da cidade e a publicação de materiais didáticos promovendo a desobediência civil.

“Sentimos uma enorme pressão”, disse o presidente da HKPTU, Fung Wai-wah, aos repórteres durante a coletiva de imprensa de terça-feira. “Entendemos que muitos membros têm uma profunda conexão com o sindicato, e nos sentimos tristes com a dissolução da HKPTU”.

Fung Wai-wah acrescentou que o sindicato havia tentado arduamente encontrar maneiras de continuar suas operações, mas ainda assim não conseguiu encontrar maneiras que “pudessem resolver a crise”.
“Só posso dizer que a situação social e política mudou muito rápido e muito rápido, e nossa decisão foi tomada em resposta a essas mudanças”, disse Fung Wai-wah.

Após o anúncio de terça-feira, um funcionário de um dos centros de serviços da HKPTU disse à HKFP que havia muitas vezes filas de espera para seus serviços, mas as coisas estavam mais ocupadas nos últimos dias.
A decisão foi aprovada por unanimidade em uma reunião do conselho executivo na segunda-feira 9 à noite.

Quinze dias de pressão

Desde a declaração do governo, o sindicato de 48 anos deixou a Confederação dos Sindicatos de Hong Kong (HKCTU) e a Education International (EI), uma rede global de sindicatos de educadores.

A HKPTU também prometeu “concentrar-se nos direitos e interesses do setor educacional” após a decisão do governo, e também criou um comitê de trabalho para promover a história e a cultura chinesa a fim de fomentar “afeição pelo lar e pelo país” entre os estudantes.

A lei de segurança, promulgada por Pequim em junho passado (2020), provocou um arrepio entre os grupos da sociedade civil, com várias dissoluções ao todo. Em julho, o progressivo Grupo de Advogados, a Progressive Teachers’ Alliance, o grupo médico Médecins Inspirés e o NeoDemocratas cessaram suas operações.

A HKPTU deixará de processar novas solicitações e renovações de filiação, e deixará de comentar ou participar de assuntos públicos, disse na terça-feira 10. O ramo de direitos e reclamações da HKPTU também deixará de aceitar novos casos e consultas, mas Fung Wai-wah disse que o sindicato terá como objetivo concluir os casos existentes o mais rápido possível.

O direito de formar e aderir a sindicatos é protegido pela Lei Básica, pela Lei de Direitos de Hong Kong e pela lei de segurança nacional.

Artigo originalmente publicado em Europe Solidaire. Reprodução da tradução realizada pelo Observatório Internacional do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!