Colômbia: a repressão policial deixa manifestantes feridos e detidos
Reprodução

Colômbia: a repressão policial deixa manifestantes feridos e detidos

A mobilização segue no país vizinho.

27 set 2021, 13:27

Pelo menos dez manifestantes foram presos e dois ficaram feridos em uma manifestação realizada na última quinta-feira em várias partes da capital colombiana em memória de onze pessoas que foram mortas a tiros há um ano durante os protestos contra a brutalidade policial, disse a polícia de Bogotá na sexta-feira.

A mobilização foi tensa em vários pontos da capital colombiana, especialmente em Villa Luz, onde, segundo a Télam, houve atos de vandalismo que mancharam as manifestações pacíficas que aconteceram ao longo do dia.

Enquanto isso, a Rádio Caracol informou que manifestantes reunidos em 16 pontos na capital e violência foram registrados em quatro deles: no CAI (Centro de Atenção Imediata da Polícia) em Molinos, em Gaitana-Barrio Toscana, em Villa Luz, e no setor conhecido como Y de Yomasa.

Relatórios oficiais indicam que seis pessoas foram feridas – quatro delas policiais – e 10 manifestantes presos, além de uma estação do SITP (Sistema Integrado de Transporte de Bogotá) e uma ambulância vandalizada em meio aos distúrbios.

Enquanto isso, no Monumento de Banderas, Parque Verbenal e Parque Fundacional de Fontibón, as manifestações foram pacíficas.

A manifestação foi convocada por familiares e amigos das onze pessoas que foram mortas a tiros há um ano na Colômbia durante os primeiros dias de protestos antigovernamentais, com o objetivo de exigir justiça, ressaltando que doze meses após os eventos apenas quatro policiais foram acusados, embora não tenham sido afastados do serviço.

Desde então, a polícia tem sido criticada em inúmeras ocasiões. O governo de Iván Duque defende a força, embora recentemente, por ocasião do Dia dos Direitos Humanos, o Ministro da Defesa e o chefe da polícia tenham deplorado o abuso de agentes públicos em algumas ações.

Em um relatório publicado em julho passado, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) expressou preocupação sobre “o uso desproporcional da força, a violência baseada em gênero, a violência étnico-racial, a violência contra jornalistas e contra missões médicas, irregularidades nas transferências para proteção e relatos de desaparecimentos; bem como o uso de assistência militar, poderes disciplinares e jurisdição criminal militar”.

Uma das afirmações mais controversas do relatório é que os bloqueios de estradas, embora afetem a população, são mecanismos legítimos de protesto consagrados em um direito constitucional.

O órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA) também criticou a falta de clareza quanto ao número de mortos, feridos e desaparecidos devido à violência durante os recentes protestos anti-governamentais: enquanto a Procuradoria Geral da República fala de 21, as organizações de direitos humanos colocam o número em mais de 70.

Artigo originalmente publicado em Resumen Latinoamericano. Reprodução da tradução realizada pelo Observatório Internacional do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!